Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Um relato sobre a falha nos trens da linha 7

Por Blog

Por Jéssica Moreira

Pensei que este seria mais um dia de trabalho, mas logo cedo percebi que a semana foi interrompida por mais uma daquelas paralisações dos trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Cheguei à estação Perus, na zona norte de São Paulo, e me deparei com diversos rostos cansados por esperar um trem que já estava parado há duas horas.

Subi as escadas e vi outros tantos sentados ou tomando seus celulares nas mãos para avisar ao patrão que, mais uma vez, não iriam conseguir chegar ao trabalho.

Desde as 7h, a linha 7- Rubi, que liga a Luz a Jundiaí, ficou parada por falta de energia, conforme informava um funcionário da CPTM. Diversas pessoas ficaram dentro da estação esperando pela normalização ou procuraram novas alternativas em ônibus ou vans.

Passageiros aguardam normalização dos trens


Sentada na escada da estação com as duas filhas e o marido, Joyce Aparecida, 20, desempregada, estava indo fazer uma entrevista em Francisco Morato, para concorrer a uma vaga de atendente em supermercado, mas, por conta do atraso, perdeu a oportunidade. “Cheguei às 7h50 aqui, se eu pegar o ônibus não dá tempo de chegar e nem tenho como telefonar para avisar, porque não tenho crédito no celular”, comentou a moça.

Vi pessoas em fila perto da catraca. Eram funcionários da CPTM distribuindo bilhetes de trem para os passageiros que optavam por sair da estação. “Deveriam ter disponibilizado ônibus para o pessoal ir até a Barra Funda [estação de metrô mais próxima], pois só um bilhete de trem não adianta muito”, sugeriu Danilo James, 27, que trabalha na avenida Faria Lima e já estava na estação havia duas horas.

Enquanto isso, diversas vans com destino ao bairro da Lapa (zona oeste de SP) começavam a estacionar na Praça Inácio Dias. “Olha Lapa saindo”, gritava o cobrador para os que procuravam uma alternativa em meio ao caos.

Usuários aguardam o retornor dos trens

Alguns aceitavam e subiam na van, enquanto o ponto ia ficando cada vez mais lotado pelos que aguardavam um ônibus, já que a prefeitura e o Estado não realizaram uma ação de emergência, mandando mais ônibus para o bairro.

Para a estudante de publicidade e propaganda do Mackenzie, Thais Costa, 21, a solução é “procurar o motivo dessas falhas em dias menos movimentados para evitar todo esse transtorno”.

A estudante diz que sempre chega atrasada na faculdade, que fica no bairro da Santa Cecília (centro de SP) por motivo de falhas nos trens. “Só estou indo porque tenho que entregar um trabalho. Chegando lá ainda tenho que pedir um requerimento na secretaria, senão o professor não vai aceitar meu trabalho”, disse.

A diarista Raimunda Santos do Carmo, 33, perdeu o dia. “Não vou hoje e não vou receber”, disse.

 

Jéssica Moreira, 20, é correspondente de Perus.
@gegis00
jessicamoreira.mural@gmail.com

Blogs da Folha