Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

‘Ópera periférica’ atrai dobro do público esperado na Cidade Patriarca

Por izabela moi

Por Lívia Lima

Mesmo sem as poltronas confortáveis e a temperatura agradável de uma sala de teatro, um público de até 300 pessoas tem se concentrado na área livre do Clube da Comunidade (CDC) Patriarca, zona leste de São Paulo, para assistir “A saga do menino diamante – uma ópera periférica”, do Coletivo Dolores Boca Aberta.

A apresentação acontece todos os sábados às 22h, de 14/7 a 4/8.. “Nem dá para divulgar muito, já estamos no limite da ocupação do espaço”, afirma Luciano Carvalho, 37, integrante do coletivo e diretor da produção.

 

 

“Quando se fala em teatro a céu aberto, na periferia e de graça, não dá para imaginar uma grande produção, mas foi um espetáculo de qualidade”, afirma Mariana Martins, 29, pedagoga e moradora da região.

Criada a partir de pesquisa realizada em grupos de trabalho no coletivo, “A saga” foi vencedora na categoria especial do Prêmio Shell de Teatro em 2011. O coletivo Dolores já está na 4ª temporada de apresentação este ano.

Durante 1h40, 32 atores e músicos encenam a narrativa sobre experiências sociais inseridas nos processos de construção e ocupação das grandes cidades.

 

 

“Nosso protagonista não é a favela, mas todo o movimento de construção e destruição delas, os interesses econômicos, a especulação imobiliária, a construção de grandes rodovias, a Copa do Mundo. É a estruturação da cidade para valorizar o valor”, explica Luciano.

O Coletivo Dolores Boca Aberta se define como “trabalhadores que fazem arte”. Oscilando entre momentos em que arranca risos e em que provoca inquietação e reflexão na plateia, a peça fala especialmente sobre a classe trabalhadora.

“Muitos pensam que teatro é coisa de gente ‘culta’, que frequenta o Teatro Municipal. Quando o espetáculo está mais próximo, é mais estimulante para participar”, afirma a moradora Suely Borges, 28.

 

 

Mais informações:

A saga do menino diamante – uma ópera periférica

Coletivo Dolores Boca Aberta

De 14/7 a 4/8, a partir das 22h

CDC Patriarca: Rua Frederico Brotero, 60, Cidade Patriarca.

 

Lívia Lima, 24, correspondente de Artur Alvim.
@livialimasilva
livia.mural@gmail.com

 

Blogs da Folha