Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Sem trem, moradores de Perus enfrentam longas filas para pegar ônibus no fim de semana

Por Blog

Por Jéssica Moreira

Janete Alves Oliveira mora em Artur Alvim, na zona leste de São Paulo, mas toda a sua família reside na zona norte, em Perus e Pirituba. Nesse feriado prolongado, Janete se programou para visitar seus parentes, mas a notícia de que não haveria trem entre as estações Barra Funda e Perus (por onde passa a linha 7- rubi) a fez desistir.

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanas (CPTM) fechou o trecho para realizar obras de manutenção e modernização nas vias. O trajeto era feito com ônibus cedidos pela estatal.

Segundo o ator Filipe Dias, 29, as filas para pegar ônibus em Perus neste domingo eram tão longas que chegavam a alcançar a passarela de acesso a pedestres. Para ele, o problema é a falta de alternativas para o usuário. “São poucos ônibus para o número de pessoas e fazer em três horas um trajeto de uma hora é ofensivo para mim, dado o valor das passagens”, diz.

Do outro lado da cidade, no Alto Tietê (Grande São Paulo), próximo ao extremo leste da capital, Ronaldo Sena, 28, também reclama das paralisações da linha Linha 11 – coral. “Na sexta-feira, houve paralisação entre Brás e Tatuapé. O trajeto que faço em uma hora e meia todos os dias durou três horas”, diz Ronaldo, que há três anos faz o percurso de Poá até a Vila Mariana, onde estuda jornalismo.

Moradores enfrentaram longas filas no feriado

Segundo o estudante, no sábado, 8/9, não houve paralisações na linha que liga Mogi das Cruzes à estação Luz, porém, os trens só passavam a cada 30 minutos. “Isso fazia com que os trens saíssem abarrotados, como durante a semana”, comenta Ronaldo.

Para William Souza, 31, as obras aos domingos é um “mal necessário”, pois, sem elas, as inúmeras falhas não serão corrigidas. “É incrível dizer isso, mas ela está sendo feita no período menos pior para todos. Quando o fluxo de pessoas cai 70%”, explica o estudante de engenharia elétrica, que também toma trem todos os dias para ir à faculdade.

“Pagamos muito caro para andar em trens lotados e demorados. Já passou da hora desse sistema melhorar. Já que investimos tanto dinheiro nele todos os dias, mas, infelizmente, mesmo que trocássemos tudo por coisa nova, isso não seria feito sem transtornos temporários”, completa William.

Segundo a CPTM, nos dias 16, 23 e 30/9 a linha 7- rubi também sofrerá intervenções. As obras de modernização das linhas devem ocorrer até pelo menos 2015, ainda de acordo com a estatal.

Jéssica Moreira, 21, é correspondente de Perus.
@gegis00
jessicamoreira.mural@gmail.com

Blogs da Folha