Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Faltam creches e iluminação pública no Jardim Helian, dizem moradores

Por Blog

Por Tatiane Carvalho

Reclamação é o que não falta entre os moradores do Jardim Helian, bairro próximo ao Parque do Carmo, na zona leste da capital paulista. Questões como ausência de creche, saneamento básico precário, falta de iluminação pública e espaço físico pequeno para o uso da Unidade Básica de Saúde (UBS) fazem parte do cotidiano dos moradores da região.

Há 38 anos no bairro, Marlene Duarte de Moraes, 64, mostra-se insatisfeita com o uso do dinheiro público. “A gente paga para ficar no escuro. Esta rua é a pior que tem”, reclama, referindo-se à iluminação pública na rua Carmem Cardoso Bordini.

“Eu já fui roubada aqui duas vezes”, acrescenta Lázara Aparecida da Cruz, 71, proprietária de um comércio na mesma rua.

Tomada por esgoto e lixo, a viela que liga as ruas Guilherme Cruz e Carmem Cardoso Bordini incomoda os moradores

Segundo o vice-presidente da Associação de Moradores e Amigos do Jardim Helian, Antônio Sérgio Moreira Lima, 40, neste mês, um ofício já foi enviado à Ilume, Departamento de Iluminação Pública da Prefeitura de São Paulo, mas não há data prevista para a solução do problema.

Outra situação que tem incomodado motoristas e pedestres no bairro é a alteração na divisão da rua John Speers — no trecho que circunda o Parque do Carmo até a entrada do Jardim Helian — feita pela CET. Segundo Lima, a mudança não foi “nada justa”. Isto porque, após a mudança, uma das faixas da via passou a ser dupla enquanto a outra, estreita, mal acomoda um carro de passeio.

Casas dividem espaço com esgoto a céu aberto na rua Edmundo Abreu

A ausência de creche é mais um problema na vida dos moradores do Jardim Helian. “Meu filho vai para uma creche em outro bairro. Eu pago a perua”, conta o mecânico de manutenção Rodrigo Martins dos Reis, 28, que não pretende se acomodar com a situação.

“Nosso próximo passo é brigar pela creche. Vai ser em cima de muita luta, mas nós estamos dispostos”, complementa Reis, que também desenvolve a função de tesoureiro na Associação de Moradores e Amigos do Jardim Helian.

Instalada há 20 anos no mesmo local, a UBS Jardim Helian tem como principal demanda, segundo Lima, sua transferência para um espaço físico maior e mais adequado às necessidades dos moradores. “Esta é a principal bandeira da associação hoje: o posto de saúde”, salienta.

Tatiane Carvalho, 35, é correspondente de Itaquera.
@TatiCarvalho77
taticarvalho.mural@gmail.com

Blogs da Folha