Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Córrego a céu aberto causa transtornos a moradores da zona norte

Por Blog

Por Francine Matovani e Priscila Gomes

Quem anda pelas avenidas Coronel Sezefredo Fagundes, Antonelo da Messina e Ushikichi Kamya, na região do Tremembé, zona norte de São Paulo, sente o mau cheiro que vem dos córregos. Em dias de sol forte, o cheiro fica mais forte.

Os córregos, que correm a céu aberto, vêm trazendo prejuízos à população há muito tempo. “Moro aqui há 45 anos e sempre tivemos problemas com esses córregos, principalmente nos meses de chuvas fortes. Só vejo fazerem a limpeza em época de eleição”, comenta o aposentado Flávio Viana Sales.

Segundo a subprefeitura do Jaçanã, existem estudos de drenagem das bacias da região. O objetivo é eliminar as enchentes. No projeto, estão a canalização e a implantação de reservatórios de amortecimentos das cheias, os chamados piscinões.

Córrego na avenida Antonelo da Messina, no Tremembé, zona norte

A subprefeitura ainda afirma que a limpeza dos córregos é feita periodicamente e que as últimas ocorreram em 28/8 e 30/9.

“Aqui, quando chove sofremos muito, entra água até dentro das casas. É preciso suspender os móveis com tijolos e, mesmo assim, às vezes não adianta”, diz Teresa Rosa Cardoso, assistente de limpeza, moradora do bairro há 40 anos.

Casas foram construídas nas margens de córrego no Jardim Peri, zona norte

No bairro do Jardim Peri, também na zona norte, a situação não se mostra muito diferente. A dona de casa Maria José Oliveira, 44, mora ao lado de um córrego há mais de 30 anos, na rua Antônio Dias da Silva. Ela relata: “desde que me entendo por gente, a prefeitura diz que vai canalizar este córrego, fazer um piscinão. Até agora, nada. Eles vêm limpar a cada seis meses, mas não adianta. Da última vez que vieram, passou um trator que quebrou os canos. Piorou.”

O Mural entrou em contato com a subprefeitura da Casa Verde, por e-mail e por telefone, mas não obteve resposta sobre a situação dos córregos da região do Jardim Peri.

Francine Mantovani, 28, é correspondente da Pedra Branca.
@franmantovani
francine.mural@gmail.com

Priscila Gomes, 28, é correspondente de Vila Zilda.
@prigomes1983
priscilagomes.mural@gmail.com

Blogs da Folha