Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Brasilândia recebe festival de cinema

Por Blog

Por Cleber Arruda

Neste fim de semana, os moradores da Brasilândia, na zona norte, podem conferir gratuitamente diversos curtas e longas metragens do 7º Festival Cine Favela de Cinema. A mostra competitiva acontecerá na Casa de Cultura da Brasilândia, localizada na praça Benedicta Cavalheiro, a partir das 19h deste sábado (10) e domingo (11).

O tema desta edição é a América Latina. O roteiro foi criado na própria oficina com atores de comunidades populares, como Heliópolis, Capão Redondo, Cidade Tiradentes, Brasilândia e Grajaú.

O Mural conversou com Daniel Gaggini, diretor geral e curador do 7º Festival Cine Favela de Cinema. Leia alguns trechos:

Mural: Como funciona a mostra competitiva?
Daniel Gaggini: A mostra reúne 14 curtas-metragens latinoamericanos, dez inéditos no Brasil. Os filmes foram selecionados entre os 463 títulos inscritos e são divididos em duas grades de programação. Serão exibidos filmes do Brasil, Chile, Uruguai, Colômbia, México, Argentina e Cuba. As sessões acontecem em cinco comunidades de São Paulo (Heliópolis, Cidade Tiradentes, Capão Redondo, Grajaú e Brasilândia) e o público, por meio do voto popular, elegerá o melhor filme do Festival.

Mural: O que as pessoas podem esperar do festival?
DG: Pretendemos oferecer um panorama da produção periférica latinoamericana e apresentar ao público o cinema realizado por ONGs, associações, comunidades, coletivos artísticos e produtores independentes e periféricos.

Mural: E por que?
DG: Nossa intenção é usar o cinema como uma ferramenta de inclusão sociocultural. Por isso, o festival não se limita à exibição de filmes. Também temos como foco a capacitação de jovens por meio de oficinas e faremos sessões em escolas públicas e instituições de reabilitação, levando a arte também para quem não tem acesso a ela.

Mural: A Brasilândia é um dos locais alvos da Operação Saturação da PM, onde a onda de violência tem gerado diversas vítimas. Qual a relevância de um evento como esse ser realizado agora?
DG: Não só a Brasilândia é alvo da ação da polícia, outras comunidades onde o festival está sendo realizado também sofreram intervenção.  A relevância neste caso ainda é maior, pois a promoção/difusão da cultura é uma forma de inclusão social, e a violência, na maioria dos casos, está ligada à marginalização.

Mais detalhes sobre o festival aqui.
Cleber Arruda, 31, é correspondente do Jardim Damasceno.
@CleberArruda
cleber.mural@gmail.com

Blogs da Folha