Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Ciclofaixa aos domingos incentiva empreendedorismo na zona leste

Por Blog

Além de ser uma nova opção de diversão, atraindo muitas pessoas todos os domingos, a Ciclofaixa de Lazer da Zona Leste, localizada na avenida Governador Carvalho Pinto, mais conhecida como Tiquatira, tem motivado empresários da região a investirem em produtos e serviços para seus frequentadores.

Assim que aconteceu a inauguração, em 25 de março desse ano, os sócios Fábio Miranda, 33,  e Antônio Marcos Peres, 49,  já estavam com a loja de locação de bicicletas funcionando. Fábio é um dos proprietários de duas lojas de bicicletas na Penha e Vila Matilde e convidou seu cliente Antônio Marcos a investir nessa nova oportunidade. Antônio, que trabalha com locação de móveis para eventos, aceitou o convite e transformou a garagem de sua casa, localizada na avenida Tiquatira, na MF Bikes, locadora de bicicletas, triciclos e carrinhos.

Amigos se juntaram para abrir a Jedd Bikes

“As pessoas vêm pra cá por lazer, então a gente tem que fazer com que nossos clientes se sintam bem atendidos”, afirma Fábio. Para garantir o bom atendimento, eles conseguiram alvará de funcionamento e investiram cerca de 110 mil reais na compra de 150 bicicletas, 20 carrinhos e 60 trenzinhos, e de um espaço para guardar toda esta frota.
Além disso, a dupla contrata entre 10 e 14 pessoas por domingo para prestar assistência aos seus clientes, supervisionando toda a via.

A ciclofaixa Tiquatira ocupa duas pistas da avenida e possui 14 km de extensão (7 em cada sentido), passando por diversos bairros entre a Penha e Artur Alvim. Trata-se da única na zona leste e é organizada pelo movimento Conviva, uma parceria da Prefeitura de São Paulo com a Bradesco Seguros.

Na frente MF Bikes, Maurício Pareja, 44, instalou sua barraca de água de coco. “Quem anda de bike gosta de coisas naturais”, explica. Pareja é dono de uma editora e decidiu vender água de coco para complementar sua renda. “Já cheguei a vender 250 cocos em um dia”.

Renata Marques e o filho algum as bicicletas para pedalar na ciclofaixa

Em outro ponto da avenida, dois casais de amigos instalaram há 3 meses uma tenda e abriram a empresa Jedd Bikes, nome formado pelas iniciais dos integrantes João, Erika, Daril e Daniela. A Jedd ainda está em processo de regularização, mas eles já investiram R$2500 em 25 bicicletas e em outros materiais. “O dinheiro que ganhamos, investimos mais. Até então não tivemos lucro”, conta Erika Rodrigues, 28.

Para os amigos e sócios, a região não possuía muitas opções de lazer e a ciclofaixa aos domingos mudou um pouco esta realidade. “Vem muita família, gente que não tem condições de ir pro Ibirapuera, hoje tem esse prazer”, diz Erika.

Michele Marie, 26, é moradora da região e anda de bicicleta por lá todos os domingos. Ela também acredita que o espaço representou um grande avanço para o bairro. “A gente era bem defasado de um ambiente para praticar esportes e a ciclofaixa apareceu para ajudar nesse sentido”.

Assim como ela, Renata Marques , 34, é uma frequentadora assídua do local. Ela vê como uma ótima forma de lazer. Porém, segundo ela, a ciclofaixa é complicada para a dinâmica do trânsito na região. “Acho horrível  a falta locais para retorno”, afirma Renata, ao lembrar das longas distâncias que precisa percorrer para mudar de sentido na via.

Fábio Miranda e Antônio Marcos Peres investiram 110 mil reais no negócio

Michele concorda que a reserva de uma faixa para bicicletas complica o trânsito. “No começo foi ruim por causa do trânsito, que piorou muito e agora é preciso dar muita volta”. No entanto, com o passar do tempo as pessoas foram se acostumando. “Depois a gente se adaptou e começou a aproveitar o espaço das bicicletas. Começamos a curtir o ambiente”.

Atualmente, de acordo com a CET, São Paulo conta com 3,3 Km de ciclofaixas fixas e 67 km de operacionais. Elas funcionam aos Domingos e feriados, das 7 às 16h, espalhadas pelas regiões da cidade.
Lívia Lima, 24 anos, correspondente de Artur Alvim.
@livialimasilva
livia.mural@gmail.com

Marina Lopes, 20, é correspondente da Penha.
@marina_lopesmf
marinalopes.mural@gmail.com

Blogs da Folha