Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Itapevi completa 54 anos de emancipação de Cotia

Por Blog

Localizada no extremo oeste da Região Metropolitana e a 40 km do centro de São Paulo, a cidade de Itapevi completa 54 anos de emancipação político-administrativa nesta segunda-feira (18).

Há muito tempo o município é considerado uma cidade-dormitório, resultado das poucas oportunidades de trabalho. “Procurei emprego em Itapevi, mas não encontrei. Trabalho no centro de São Paulo; perco 4 horas do meu dia no transporte público”, afirma o morador Rodrigo Batista, 27.

Devido à proximidade com o interior de São Paulo, alguns bairros conservam antigas tradições caipiras.

“Gosto de cozinhar no fogão à lenha. Além de economizar gás, [a comida] fica com um excelente sabor. Minha cozinha é de chão de terra e, às vezes, esquilos e macaquinhos entram em casa em busca de alimento”, afirma Maria Benedita, 45, dona de casa e moradora da cidade há 18 anos. Ela reside na estrada da Cruz Grande, local onde alguns moradores sobrevivem com o cultivo de alimentos e criação de animais.

Vista da praça Irmão Francisco, no bairro Vila Aurora, próximo ao centro

Um dos problemas de Itapevi, na visão do morador Alden Cioffi, 32, técnico em informática, é a escassez de opções de lazer. Segundo ele, os eventos culturais que acontecem na cidade são pouco divulgados e muitos jovens ficam com tempo ocioso, sem perspectiva de carreira e acabam entrando para a criminalidade.

Com relação à estrutura para a prática de esportes, de acordo com Ricardo Lima, 32, proprietário de uma loja de artigos esportivos e morador há 18 anos, “não existe local com iluminação apropriada e o único centro esportivo com quadra, pista de skate e playground não tem horário fixo de funcionamento, além de muitas vezes estar fechado aos fins de semana”.

O trânsito em Itapevi é intenso, principalmente no centro. A estação de trem da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e os ônibus intermunicipais são as opções de transporte público que dão acesso a outras cidades. Mas no bairro Chácaras Monte Serrat é possível encontrar moradores que utilizam cavalo como meio de transporte.

Apesar de a renda média mensal ser de R$ 590, como mostram os dados do Boletim Metropolitano de Conjuntura Social e Econômica, alguns moradores são de classes sociais mais altas. Isso pode ser constatado em bairros como Nova Itapevi e Nova São Paulo, onde há imóveis a venda pelo valor de R$ 750 mil.

O município é próximo das rodovias Castelo Branco e Raposo Tavares, o que possibilita fácil acesso ao centro de São Paulo e interior.

Itapevi tem muitos problemas na administração pública, porém todos os entrevistados afirmaram não ter vontade de morar em outro lugar.

“Apesar do descaso da prefeitura, de o trânsito no centro ser caótico, dos diversos pontos de alagamento quando chove e da falta de opções de lazer,  eu gosto de viver aqui, porque existe um povo acolhedor, que supera as dificuldades com um sorriso no rosto.  Foi nas ruas dessa cidade que construí minha historia de vida”, conclui Maria Benedita.

Narayhana Pereira, 22, é correspondente comunitária de Itapevi.
@narayhana
narayhana.mural@gmail.com

Blogs da Folha