Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Ruas próximas a escolas têm sinalização precária em São Miguel

Por Blog

Por Luís Adorno

As ruas próximas de escolas de São Miguel Paulista, na zona leste de São Paulo, preocupam alunos, pais e funcionários pela falta de segurança. Pessoas que frequentam diariamente a escolas públicas Darcy Ribeiro, Arquiteto Luís Saia, Dom Pedro I e do colégio particular Tobias de Aguiar reclamam, principalmente, da falta de semáforos e sinalização escolar, além das precárias calçadas do entorno.

Funcionários da Darcy Ribeiro manifestaram insatisfação com a falta de um semáforo entre as ruas que dão acesso à escola. “Já fizemos abaixo-assinado junto aos pais, a diretora Gisele Bueno já fez um ofício e ainda não resolveram”, disse um funcionário que preferiu não ser identificado. A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) respondeu que “vai avaliar as condições da rua, em diferentes dias e horários, a fim de verificar a sinalização mais adequada que possa melhorar as condições de segurança viária para os usuários”.

Para chegar à escola Darcy Ribeiro, os alunos precisam aguardar a boa vontade dos motoristas ou se arriscar no meio dos carros

Já segundo funcionários das escolas localizadas na rua Américo Gomes da Costa, a Arquiteto Luís Saia e Dom Pedro I, que também não quiseram se identificar, o principal problema no entorno são as calçadas. “Além de pequenas, são irregulares. Não parecem calçadas, parecem escadas”, disse uma funcionária.

De acordo com Avelino Aparecido Alvez, porta-voz da Secretaria Municipal de Educação, “é prática comum na rede, sempre que há um problema de sinalização no entorno escolar, ou mesmo de manutenção de calçadas, a direção da unidade enviar ofícios às áreas competentes”, afirmou, referindo-se à CET e subprefeitura.

Os carros que saem da rua das escolas Arquiteto Luís Saia e Dom Pedro I têm que lutar por espaço na avenida Nordestina, pois não há semáforo

O Colégio Tobias de Aguiar também sofre com a má sinalização em seu entorno. Segundo o responsável pelo marketing educacional, Fernando Ferreira, a escola já desembolsou em torno de R$ 80 mil para implantar um semáforo na avenida Nordestina em 2008, após a CET negar a construção num processo que se prolongou desde 2001.

A diretora Márcia Cristina afirmou que há nove anos o colégio solicitou junto à CET a sinalização no entorno da escola, semáforos, faixa de pedestre e placas de advertência. “Isto está tramitando desde 2004 e não obtemos êxito”, disse.

Semáforo que a escola particular Tobias de Aguiar custeou. No total, a implantação girou em torno de R$ 80 mil, diz o colégio

Em nota, a CET respondeu que “os principais corredores da cidade, entre eles a avenida Nordestina, estão em processo de reavaliação quanto ao volume de tráfego e estado da sinalização, visando garantir a segurança de pedestres e motoristas. A fiscalização no local será intensificada”.

Luís Adorno, 18, é correspondente de São Miguel Paulista
luis.adorno.mural@gmail.com
@LuisAdorno

Blogs da Folha