Na Grande SP, problemas no transporte vão de atrasos em terminais a falta de integração

Em meio às discussões sobre a qualidade do transporte público e o reajuste das passagens, correspondentes do Mural de sete cidades da região metropolitana de São Paulo relatam como é a condução em seus municípios. Nesta semana, manifestações foram marcadas nas redes sociais em Carapicuíba, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Itapevi, Mogi das Cruzes, Osasco e Poá, sendo que algumas vão ocorrer nesta quarta-feira (19).

Osasco: terminal recém-entregue precisou de novas reformas por defeito no asfalto

Sub-região Oeste

Carapicuíba
(Tarifa: R$ 3,20)
Por Anderson Ferreira

O problema mais tênue em Carapicuíba é que, além de pagarmos R$ 3,20 na passagem, o terminal de ônibus no centro da cidade está sendo reconstruído. As obras que deveriam ser concluídas em janeiro de 2013 estão atrasadas. Com isso, os ônibus ficam estacionados ao lado de outros carros na rua. Durante a noite, a situação piora, pois há pouca iluminação, ausência de faixas de pedestres e semáforos, apesar da grande circulação de pessoas. Os moradores ficam ‘plantados’, no frio ou no calor, a espera do ônibus, que demora.

Itapevi
(Tarifa: R$ 3,20)
Por Narayhana Pereira

Em Itapevi, a passagem custa R$ 3,20, apesar da maioria das linhas  ter um percurso curto. Alguns ônibus não tem cobrador e o intervalo dos coletivos pode chegar até duas horas. No terminal municipal, no centro, a estrutura não protege os passageiros nem da chuva nem do sol, e a iluminação é escassa à noite. O local está sempre sujo e o banheiro é raramente aberto para uso dos passageiros. Além disso, as três plataformas não possuem identificação com os itinerários e os fiscais geralmente não têm as informações. Desentendimentos entre passageiros e funcionários ocorrem com frequência devido à falta de paciência dos profissionais.

Osasco
(Tarifa: R$ 3,20)
Por Paulo Talarico

Todos os dias, pessoas atravessam a pé pontes e passarelas sobre o Rio Tietê, em Osasco. O motivo: apesar de cobrar R$ 3,20 pela passagem de ônibus, não há integração para quem quer ir da zona sul à zona norte da cidade, nem para os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O Largo de Osasco, principal terminal do centro, foi reformado ano passado e, após a entrega, o asfalto não resistiu e o local segue em reparos, com pontos improvisados na região. A lotação e a demora também são constantes. A única boa mudança foi o aumento de coletivos adaptados para deficientes.

Leia também:

Correspondentes falam sobre o transporte em diversas regiões da capital

Moradores do Itaim Paulista fretam ônibus para ir aos protestos

 

Sub-região Leste

Itaquaquecetuba
(Tarifa: R$ 2,90)
Por Camila Ribeiro

O tempo da minha casa até o centro de Itaquaquecetuba é de dez minutos de carro, enquanto de ônibus levo até 1h30. Os intervalos entre as linhas municipais que servem aos bairros chegam a passar de 50 minutos, além da lotação. Para não atrasar, saio com duas horas de antecedência. A demora não é só pelo percurso, mas, também, pelo fato do motorista exercer o papel de cobrador, o que aumenta o tempo das paradas. Além disso, parte da frota que está na rua parece não passar por manutenção, os botões para dar o sinal não funcionam e muitos bancos estão quebrados ou sujos.

Mogi das Cruzes
(Tarifa: R$ 3,20)
Por Jéssica Suellen

Em Mogi das Cruzes, o aumento da passagem de ônibus se tornou uma novela. No mês de abril houve um reajuste de R$ 2,90 para R$ 3,30 nas linhas municipais (aumento de 13,7%). Depois de vários protestos, a prefeitura reduziu a tarifa para R$ 3,20 desde o dia 15/6. Em regiões afastadas do centro de Mogi, os ônibus são escassos e é preciso esperar horas por uma condução. Em horário de pico, é impossível arranjar um lugar para se sentar e, muitas vezes, os coletivos aparentam estar sem manutenção.

Poá
(Tarifa: R$ 3,10)
Por Tamiris Gomes

É uma cidade muito engraçada, tem pouco mais de 100 mil habitantes e uma das passagens mais caras. Desde maio a tarifa dos ônibus municipais de Poá aumentou R$ 0,30, passando de R$ 2,80 para os atuais R$ 3,10 (10,7% a mais). A insatisfação com o reajuste, embalada também pelos protestos na capital, levou dezenas de jovens às ruas do município na terça (18). Eles percorreram as principais avenidas de Poá e pararam em frente ao prédio onde mora o prefeito, Francisco Pereira de Sousa, o Testinha. A má qualidade dos trens também incomodam os poaenses. A linha11-Coral da CPTM, que cruza a região, fica extremamente lotada, não só em horário de pico, a partir de Guaianazes.

Guarulhos
(Tarifa: R$ 3,20)
Por Jéssica Souza,  Olívia Freitas e Nicole Patrício

“O ônibus está programado para sair de 4 em 4 minutos”. É o que passageiros escutam do fiscal no ponto final do Jardim Moreira, em Guarulhos, ao questionarem por que um ônibus com destino ao metrô Tucuruvi (zona norte de São Paulo) demora de 20 a 30 minutos para passar. Os motoristas são mal humorados e o preço da passagem só aumenta. No bairro dos Pimentas são poucos ônibus intermunicipais, os quais demoram esse mesmo tempo para quem pega a linha com direção às estações do Armênia e Tietê do metrô, em São Paulo. Os ônibus também costumam quebrar, o que faz com que os passageiros esperem, pelo menos, 20 minutos pelo próximo. Hora marcada? É preciso se programar muito. Se for cadeirante, a situação é mais crítica, pois poucos veículos são adaptados. As tarifas chegam a R$ 5,15 – R$ 10,30 por dia, somando ida e volta.

Em resposta, no dia 25/6, a Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes informou ao Mural que a redução da passagem foi possível em razão da desoneração do PIS/Cofins anunciada pelo governo ao setor de transporte e, posteriormente, a redução do ISS cobrado sobre as tarifas.

Leia nota completa:

“A Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes esclarece que anunciou as duas recentes reduções nos preços das tarifas do transporte coletivo antes da realização de qualquer manifestação pública no município. A primeira redução, de R$ 3,30 para R$ 3,20, possível graças a desoneração do PIS e Cofins sobre o cálculo do valor, foi anunciada no dia 12 de junho e passou a valer no dia 15. A segunda, de R$ 3,20 para R$ 3,00, garantida pela desoneração do ISS cobrado sobre as tarifas, foi anunciada na última quinta-feira, dia 20 de junho. Somente na sexta-feira, dia 21, é que houve uma mobilização pública na cidade. O novo valor, de R$ 3,00, entrou em operação nesta segunda-feira (24 de junho). A Administração Municipal informa, ainda, que possui um trabalho contínuo para a melhoria do sistema e, entre as conquistas asseguradas, estão a integração entre dois ônibus no período de uma hora e meia, a inclusão de 48 novos ônibus totalmente adaptados para renovação da frota, a criação de linhas semi-expressas e a inclusão de mais dois micro-ônibus para o transporte de pessoas com deficiência, além das quatro vans que já fazem parte do sistema. Vale destacar que a frota de ônibus de Mogi das Cruzes é 100% adaptada para o transporte de pessoas com deficiência e tem idade média de 2,8 anos, muito inferior à média nacional”.

 

Comentários

  1. Moro na divisa de Guarulhos com a Vl Maria na ZN uso os onibus que passam no ponto do shopping internacional na rodovia dutra e desco dois pontos depois fico apenas 5 minutos no onibus e pago 5,15. Obs: na via dutra não possui calçadas entre o shopping de internacional e o ponto que desço na vila maria impossibilitando caminhar ate o local.

    1. é verdade brother , moro em sp na divisa com guarulhos , proximo ao shopping internacional , o transporte de guarulhos é terrivel, em sp é melhor

  2. Em Sorocaba a passagem é 3,20 um das mais caras do Brasil. E necessario possuir o cartão para embarcar, esse cartão so é vendido nos terminais. O absurdo que se diz transporte publico, porém atende somente aqueles que dispõe do cartão. Mesmo com dinheiro não embarca, a não ser com “jeitinho”. Esse é o incentivo de transporte publico!!!

  3. Moro próximo do bairro do Pimentas e pago esses R$ 5,15 para trabalhar todos os dias, e só o que vejo são ônibus sujos e apertados, durante todo o dia e a situação só piora a noite, pois os motoristas não param pois tem medo de assaltos que são constantes… agora digam se vale a pena esse preço?

  4. É bom usar o transporte publico para saber como é sofrivel o dia a dia do usuario deste transporte. Isso quando as ruas e estradas nao ficam interditadas pelas obras interminaveis da copa, como aqui em Curitiba.

  5. E ainda chamam quem vai ao protesto de arruaceiro. Bem que a gente podia identificar que vem escrever asneiras aqui e coloca-los andar de ônibus numa destas linhas para eles experimentar um pouco da desgraça diária.

  6. Na região de M Boi Mirim, muitos bairros populosos só têm ônibus até o Jardim Angela, apesar da demanda de passageiros para regiões como Santo Amaro, o infeliz do cidadão têm que descer, pegar novas filas, disputar um lugar pra pegar outro onibus, para percorrer 10 km têm que necessariamente pegar mais de um onbus, pra chegar ao trabalho até 3 ou mais, desconforto e demora. Da praça da Sé ate o Jardim Nakamura são dois onibus e cerca de 3 horas de viagem no fim da tarde, numa distãncia de cerca de 30 km, e neste bairro populoso só tem onibus até Santo amaro, e ainda é privilegiado em opção. A linha que ia ao metro foi cancelada a um mes, apesar de sempre andar lotada

  7. Moro no Extremo da zona Leste mais precisamente de São Mateus. O Bairro onde moro tem apenas 3 linhas de ônibus, que vão para os principais terminais mais próximos( São Mateus, Itaquera e Carrão). Em horários considerados de píco, tanto pela manhã quanto pela tarde, as condições de uso das linhas que nos servem, tornam-se desumanas. Super-lotação, atraso nas chegadas e saídas, congestionamento nos itinerários (devido às construções pré-copa), assaltos, acidentes e violência) e tudo isso pelo valor de 3.20, as linhas de metrô são uma novela à parte, todos os dias seguem cenas do próximo capítulo, que se repetem sem novidades(super lotação, atrasos, acidentes, desrespeito e descaso). E sempre que estou vivenciando tais situações, me pergunto: Ainda tenho que pagar por isso????

  8. O transporte público ta uma calamidade,só sabe isto de verdade aqueles que precisam trabalhar,lotações que acolhem e podem transportar em media 40 pessoas,eles carregam 70 um absurdo colocando a vida de pais e mães de família em risco,sem contar a falta de segurança de motoristas irresponsáveis cometendo excesso de velocidade etc.estes são só alguns exemplos mas a demora de muitas vezes esperar um transporte 1h00s no ponto é terrível.então conclusão esta um caos,sitando uma entre muitas outras a linha são Mateus a recanto verde do sol que atende quilometro 28 da avenida sapopemba passou da hora de pensar em colocar uma linha de ônibus. esta linha não suporta mais tanta gente.

  9. Realmente os ônibus estão super lotados , quem trabalha e precisa sair quatro da manhã , fica muito difícil , cinco da manhã não se consegue entrar de tão lotado queremos melhora com urgência !!!!

  10. Resido no extremo leste de São Paulo (São Matheus, 3ª Divisão), temos uma série de problemas graves, um deles é o transporte público. Infelizmente esse sofrimento sempre existiu, candidatos fazem uma porção de promessas em épocas de eleições, criam expectativas, mas essas promessas nunca são colocadas em prática, trágica realidade. A população fica refém dessa situação ignóbil que o governo nos dispõe como: Falta de ônibus com requesitos simples de qualidade, atrasos nos horários dos mesmos (por faltar ônibus) gerando insegurança e superlotação, motoristas mal remunerados (com isso somos atingidos diretamente em dias de greve) sem contar com a péssima qualidade de pavimentação que esse transporte tem que enfrentar.. Pagamos indiretamente pela educação pública, pela saúde pública e no transporte esse pagamente é dividido em duas etapas, indiretamente (através de impostos, pedágios abusivos) e diretamente com o valor absurdo da passagem de R$ 3,00 classificado como um dos transportes públicos mais caros do mundo, situação verdadeiramente inaceitável. Tenho certeza que a população teria prazer de pagar por um valor desse estimado, se ao menos fosse oferecido um produto de qualidade em todos os aspectos, mas isso que o governo nos impõe chama-se falta de respeito, mesmo que fosse completamente gratuito ainda assim seria caro.

  11. Pois é tudo um verdadeiro caos, passagens aumentando, transporte público defasado, alto índice de desemprego, o SUS não funciona como deveria, porem não justifica os atos de vandalismo cometidos por uma minoria de manifestantes que com certeza não sabem reivindicar uma causa, sou a favor sim de uma manifestação pacifica porque´todas depredações somos nós a classe trabalhadora que irmos arcar, é justo????

  12. Em itaquá o problema não é só transporte publico mas a questão é que não há uma fiscalização eficas tanto na questão de transporte publico; saúde; segurança publica; educação; etc. A fiscalização não chega aos bairros mais humildes.

  13. Utilizando o transporte público entre São Paulo e Guarulhos durante anos realmente o deslocamento no dia a dia é uma batalha constante, hoje resido em Guarulhos cidade adorável que me cativou mas carente da atenção dos representantes políticos, bairros na terra Recreio, Cabuçu, onde conheço moradores que pagam um Iptu caro para em dia de chuva sairem 4 horas da manhã com dois pares de sapatos ou um paninho molhado devido a falta de pavimentação e infra-estrutura em algumas ruas onde o povo cobra sem ser atendido material disposto a realizar esta tarefa em mutirão, no qual já participei em uma rua, expansão imobiliária nas construções de prédios aumentando a população(se não me engano a 2a maior do estado, 1.200.000) e o transito aumentando também. Precisamos de melhoria, diminuição deste tempo de viagem, Metro, Trem, saúde, quantas pessoas vão e vem nesta cidade principalmente devido a presença de um aeroporto. Facebook > Queremos-Metro-em-Guarulhos

Comments are closed.