Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Passageiros disputam a sombra por falta de estrutura em pontos de ônibus na zona norte

Por Blog

Superlotação, ausência de estrutura nos pontos de ônibus e demora entre as viagens de coletivo. Estes são alguns dos problemas relatados pelos moradores que dependem do transporte público em Taipas, Vila Zilda e Freguesia do Ó, regiões da zona norte e noroeste de São Paulo.

A estudante Camila Rodrigues, 21, moradora do bairro Vitória Régia, em Taipas, utiliza a linha 957T-10 Itaim Bibi/Cohab de Taipas para ir à faculdade. Mas o que mais a incomoda é a demora dos ônibus e o excesso de passageiros.

Segundo Camila, o coletivo passa em intervalos de, no mínimo, 20 a 30 minutos. O percurso é demorado e, com o trânsito na volta para a casa, ela já chegou a ficar mais de três horas dentro de um veículo num percurso que leva 1h40 para ser feito.

Moradores de Taipas enfrentam sol em abrigo sem cobertura, na avenida Cantidio Sampaio, altura do número 5.000

Este não é o único problema relatado por ela, que aponta, também, a falta de estrutura dos pontos de ônibus da região. “Na verdade, acho que em Taipas só tem dois pontos que podem ser chamados assim, mas eles nem são bons”, diz.

Com o sol forte, algumas pessoas disputam a sombra feita pelo poste de energia e, quando chove, quem está sem guarda-chuva se molha.

O auxiliar administrativo Felipe Belgo, 25, que mora no Jardim Donária e trabalha na Barra Funda, zona oeste, também mostra insatisfação com a estrutura dos pontos. “São bem precários. Têm alguns com coberturas, mas a maioria são aqueles postes só para fazer a marcação”.

Em Taipas, na rua Monte Alegre do Sul, altura do número 1.200, morador aguarda ônibus sentado em  mureta

É a mesma reclamação do morador da Freguesia do Ó, o vendedor Leonardo Oliveira, 32. “Normalmente, em bairros como a Freguesia, Casa Verde, só tem um pedaço de madeira mal pintado como ponto de ônibus”, afirma.

A operadora de caixa Ieda de Jesus, 27, moradora da Vila Zilda, também reclama do transporte em seu bairro. “As linhas 1771/10 Vila Zilda/Metrô Santana e 1772/10 Filhos da Terra/Metrô Tucuruvi são muito demoradas. Colocaram mais uma linha que faz 1771-21 JD. Fontális/Metrô Tucuruvi, mas só funciona de segunda a sexta. Depois da abertura do shopping, esses ônibus vivem mais cheios do que antes”, reclama.

Questionada, a São Paulo Transporte (SPTrans) informou ao Mural que não tem previsão de implantação de corredores de ônibus nos bairros de Taipas e Vila Zilda, o que melhoria o tempo de viagem dos passageiros. Mas afirmou que até o fim de 2016 planeja entregar mais de 150 quilômetros de novos corredores em toda a cidade.

Sobre a demora nos intervalos dos itinerários, o órgão disse que as linhas citadas na reportagem têm intervalos de 15 minutos nos horários de pico. Mas ressaltou que, em virtude da reportagem do Mural, a empresa irá analisar a área reclamada para verificar os cumprimentos das partidas.

A SP Obras, responsável pela manutenção e troca de pontos de ônibus na cidade, destacou que os bairros da periferia estão recebendo novos pontos de ônibus e que todos serão substituídos. Contudo, não foi dado prazo para a troca. O órgão reforçou, ainda, que foram realizadas 134,8 mil vistorias e feitas 561 novas instalações e 745 abrigos com cobertura.

 

Bianca Pedrina, 29, é correspondente de Taipas
@pedrita
biancapedrina.mural@gmail.com

 
Priscila Gomes, 29, é correspondente da Vila Zilda
@prigomes1983
priscilagomes.mural@gmail.com

Blogs da Folha