Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mudanças em linhas causam transtorno a moradores da zona sul de SP

Por Blog

A estrada do M’Boi Mirim, na zona sul de São Paulo, tem chamado a atenção pelo seus congestionamentos, que já se tornaram comuns para os moradores e frequentadores do local. E  mudanças recentes nos ônibus que trafegam por ali prejudicaram ainda mais a situação, segundo moradores ouvidos pelo Mural.

Nos últimos meses, dezenas de linhas de ônibus que saíam dos bairros mais afastados e seguiam direto para o centro expandido foram seccionadas ou desativadas pela SPTrans, que gerencia o transporte na capital. Com isso, moradores precisam pegar mais de um ônibus para chegar ao destino.

Essa foi uma das pautas das manifestações organizadas pelo MPL (Movimento Passe Livre) em bairros da periferia da zona sul da cidade na semana passada.

Manifestantes do MPL (Movimento Passe Livre) fazem protesto na zona sul de São Paulo, na semana passada

Algumas das linhas que sofreram mudanças foram a 637C -10 (Jd. Jacira / Pinheiros); 695J-10 (Jd. Jacira / Metrô Santa Cruz); 674A-10 (Jd. Horizonte Azul / Metrô Praça da Árvore); 677K-10 (Jd. Nakamura/ Metrô Santa Cruz); 609C-10 (Jd. Caiçara/ Praça Julio Prestes); 677A-10 (Vila Gilda/ Metrô Ana Rosa).

Lilian Almeida Silva, 18, moradora do Jardim Ângela, lembra que diversas vezes precisou descer do ônibus e seguir andando até sua escola. “Hoje temos ônibus mais lotados, filas enormes e a chance de ir sentado é mínima. O tempo que levamos para chegar aos lugares aumentou. Tenho amigos que passaram a ter que pegar 3 ou 4 conduções para chegar ao centro, o que aumentou em até 1h20 o tempo de percurso”, conta Lilian.

No bairro dela, algumas linhas de micro-ônibus, como Jd. dos Reis e Horizonte Azul, não vão mais até Santo Amaro e seguem apenas até a Vila Remo. Em seguida, a linha que ia do Parque do Lago até o Borba Gato foi encurtada até o Terminal Guarapiranga.  Também foram seccionados os trajetos que ligavam o “fundão” –bairros como Jd. Nakamura e Vila Gilda– até o centro. Os ônibus agora seguem até o Terminal Ângela. Para seguir viagem, é necessário baldeação.

“Com a extinção das linhas que iam para o metrô Santa Cruz ou largo de São Francisco, no [trajeto] que eu levava até uma hora e dez minutos, hoje gasto duas horas para chegar ao trabalho. Antes usava duas integrações, agora preciso de quatro”, revela João Carlos Souza Andrade, 29, morador de Guarapiranga.

A SPTrans explicou que, antes de qualquer alteração nos itinerários, são realizados estudos para “alcançar as melhores opções de deslocamentos aos passageiros”.  “As mudanças têm respaldo de pesquisas de origem e destino feitas com base no sistema que registra a utilização do Bilhete Único. A reorganização de linhas na região da estrada do M’Boi Mirim têm como objetivo a melhoria do sistema com viagens mais rápidas, maior oferta de lugares, além de redução de intervalos entre partidas e inclusão de ônibus de  maior capacidade.”

“Eles não podem sair mudando linhas sem diálogo direto com a comunidade. Temos de mostrar para eles que estamos aqui prontos para reivindicar nossos direitos, não ficaremos quietos, e vamos cobrar uma política horizontal e democrática”, ressalta a moradora Lilian Almeida.

Cíntia Gomes, 30, é correspondente da Riviera Paulista.
@cintiamgomes
cintiagomes.mural@gmail.com

Blogs da Folha