Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Salvador é o destino mais procurado em agência de viagens de Paraisópolis

Por Blog

Em Paraisópolis, a maior favela de São Paulo, na zona sul da capital, para adquirir um bilhete aéreo –muitas vezes, pela primeira vez– os cerca de 100 mil moradores não precisam comprovar renda, possuir conta em banco nem ter o nome consultado no SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). E podem parcelar o pagamento em até 12 vezes.

Cerca de 30 a 40 cotações de preços e destinos são realizados diariamente, tanto pessoalmente quanto por telefone, na Me Leva que Eu Vou, primeira agência de passagens aéreas na comunidade, da empresa Vai Voando.

Aberto desde junho, o estabelecimento comercializa cerca de 50 viagens por mês.

No topo da lista de destinos mais procurados estão as capitais do Nordeste – reflexo, sobretudo, do alto contingente de nordestinos que vivem na comunidade.

Dos 600 bilhetes aéreos expedidos nos últimos seis meses, Salvador (BA) é a cidade mais requisitada, à frente de Recife (PE), Fortaleza (CE), São Luís (MA) e a também baiana Vitória Conquista.

Em seguida, estão João Pessoa (PB), Maceió (AL), Teresina (PI), Natal (RN), Juazeiro Norte (CE) e Campina Grande (PB).

Segundo Gisela Cury, diretora geral da agência em Paraisópolis, a empresa tem parcerias com as grandes companhias aéreas como forma de diminuir os preços dos voos.

“Muitas vezes, o preço da viagem de avião é mais barata do que a de ônibus. E [o passageiro] não tem que gastar com alimentação durante o trajeto, nem [se preocupar] com a demora da viagem, que pode levar 40 horas em alguns casos”, afirma.

No país, entre 2011 e 2012, houve um crescimento de quase 8% no número de embarques domésticos. Esse índice é reflexo do poder de compra da classe C e da diminuição do valor dos bilhetes aéreos, de acordo com estudo realizado pelo Ministério do Turismo, baseado em dados da Infraero, que administra os aeroportos.

De acordo com Gisela, o trabalho da agência vai além da simples venda da passagem. “Orientamos qual a melhor forma de chegar aos aeroportos, assim como temos o cuidado de verificar se eles irão se deslocar para outras cidades”, diz.

Grande parte dos moradores procuram regiões afastadas das capitais, o que exige completar o trajeto de ônibus, fato que adiciona oito ou nove horas no trajeto até o destino final – como é o caso da distância entre Salvador e Vitória da Conquista, que agora conta com um aeroporto.

“Tentamos auxiliá-los a conciliar os horários de chegada no aeroporto de destino com o trajeto até a rodoviária, assim como o horário de saída do ônibus até suas cidades”, assegura Gisela.
Vagner de Alencar, 26, é correspondente de Paraisópolis.
@vagnerdealencar
vagnerdealencar.mural@gmail.com

Blogs da Folha