Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Coletivos culturais explicam mudanças no VAI e como inscrever projetos

Por Blog

Escrever um edital pode ser uma barreira para quem busca recursos para o seu projeto cultural no programa Vai (Valorização de Iniciativas Culturais), com inscrições abertas até o dia 7 de fevereiro. Para esclarecer as dúvidas sobre as mudanças do programa e como inscrever a sua ideia, coletivos culturais têm promovido uma série de oficinas pela cidade.

Na noite de terça-feira (21), representantes da Comunidade Cultural Quilombaque, de Perus, promoveram um desses encontros, o “percursos Vai”, no Centro Cultural da Juventude (CCJ), localizado na zona norte de São Paulo.

“Tentei o Vai algumas vezes, mas não consegui ainda, apesar de já ter participado de outros editais. E, dessa vez, minhas dúvidas eram, principalmente, sobre as mudanças ocorridas, sobre em qual programa me inscrever”, disse o dançarino e corégrafo Alex Boog, 36, que pretende inscrever um projeto de dança, com oficinas e campeonato.

Este ano, o programa dividiu-se em dois: o Vai I e o Vai II. No primeiro, podem participar grupos e coletivos, formados prioritariamente por jovens de baixa renda, com idade entre 18 a 29 anos, que pretendem inscrever seus projetos pela primeira vez para um financiamento de até R$ 30 mil.

Artistas de diversos meios tiram suas dúvidas sobre edital no CCJ (Foto: Agência Solano Trindade)
Artistas de diversos meios tiram suas dúvidas sobre edital no CCJ (Foto: Agência Solano Trindade)

O Vai II irá contemplar grupos e coletivos compostos por participantes adultos, com idade acima de 18 anos, com pelo menos dois anos de atuação na área cultural ou que já participaram do Vai I, com subsídio de até R$ 60 mil.

Outra diferença na regra deste ano é de que somente pessoas físicas poderão participar do programa, diferentemente de outras edições, que reservava um número de financiamentos para pessoas jurídicas.

A contadora de histórias Jacira Roque de Oliveira, 49, conta que nunca buscou financiamento para seus projetos por ter dificuldades na hora da inscrição. “Nunca achei que esse tipo de coisa era pra mim. Às vezes pedia para outras pessoas me inscreverem, mas não funcionava”.

A estudante Jéssica Batista Lima, de 17, disse sair esclarecida para ajudar seu grupo a montar o edital para o seu projeto de hip-hop. “Foi muito bacana. Não fiquei com nenhuma dúvida, acho que elas podem surgir quando for colocar as ideias no papel”.

Outros seis encontros do “Percursos Vai” devem ocorrer entre hoje e o dia 5, nas zonas oeste e sul da cidade. A agenda das oficinas está na página www.facebook.com/percursoprogramavai.

“Essa é a primeira vez que fazemos essas oficinas antes das inscrições. É fundamental essa forma de conversa. Estamos propondo ao Vai para que ano que vem as inscrições comecem com mais antecedência. As pessoas ainda temem os editais”, explica José Soró, um dos palestrantes da Comunidade Cultural Quilombaque.

Mais informações sobre o Vai podem ser obtidas pelos telefones (11) 3397-0155/0156 ou (www.programavai.blogspot.com), e-mail:programavai@gmail.com.

Cleber Arruda, 32, é correspondente do Jardim Damasceno
@CleberArruda
cleber.mural@gmail.com

Blogs da Folha