Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

População discute como acabar com acúmulo de lixo no Jardim Damasceno

Por Blog

A aposentada Andira Gonçalves Eduardo, 71, perdeu as contas das vezes que precisou limpar a sujeira despejada na calçada ao lado da sua casa, na altura do número 29, da rua Feliciano Malabia, no Jardim Damasceno, zona norte de São Paulo.

“Deixam tábua, sacolas, entulho e até cachorro morto. Cansei de varrer. Acho que precisam limpar e colocar uma placa de proibido jogar lixo”, diz dona Andira.

Pensando em expor suas ideias e debater os problemas com o lixo no bairro, ela se reuniu com outros moradores, representantes da Subprefeitura da Freguesia do Ó, empresa Loga (responsável pela coleta local), Secretaria do Verde e Meio Ambiente, entidades e prestadores de serviços da região, na segunda-feira (10), no Espaço Cultural do Jardim Damasceno.

 Ponto viciado de lixo na rua Gregório Pomar em frente ao CEI (Centro de Educação Infantil) do Jardim Damasceno
Ponto viciado de lixo na rua Gregório Pomar em frente ao CEI (Centro de Educação Infantil) do Jardim Damasceno

Entre as propostas, a população sugeriu um mapeamento dos pontos viciados de lixo no bairro e apontou cinco situações críticas nas ruas Talha Mar, Gregório Pomar, Hugo Ítalo Merigo, Feliciano Malabia e Daniel Cerri.

Outra ideia foi trabalhar a conscientização ambiental na comunidade e implantar lixeiras nas vielas próximas da rua Talha Mar. A proposta busca a retirada de uma caçamba que, atualmente, atende a demanda, mas é alvo de despejo de pessoas de outras regiões.

Caçamba cheia na altura do 105 da rua Talha Mar
Caçamba cheia na altura do 105 da rua Talha Mar

Os representantes da subprefeitura e Loga marcaram, provisoriamente, o dia 10 de maio para o desfecho com um mutirão de limpeza, do chamado Projeto Bairro Limpo, após uma semana de ações planejadas para conscientização ambiental.  O projeto agradou os moradores que colocaram algumas ressalvas.

“É preciso pensar em ações que tenham continuação. Não adianta fazer uma mobilização, plantar árvores, chamar a atenção e não fazer nada depois, é importante trabalhar a consciência das pessoas sobre essa questão do lixo para que funcione a longo prazo”, observou Maria Regina Cabral, 51, técnica em saúde bucal.

A população criticou, ainda, a falta de um Ecoponto próximo e a revisão do cronograma da Operação Cata-Bagulho, com a especificação das ruas onde serão realizadas as ações.

De acordo com site da Prefeitura de São Paulo, não há atualmente Ecopontos na Brasilândia, região do bairro. Os mais próximos estão nos distritos da Vila Nova Cachoeirinha e Freguesia do Ó.
Cleber Arruda, 32, é correspondente do Jardim Damasceno
@CleberArruda
cleber.mural@gmail.com

Blogs da Folha