Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Moradoras criam página para catalogar cães de rua em Perus

Por Blog

Quem caminha pela praça Inácio Dias, no bairro de Perus, zona norte de São Paulo, depara-se com um grande número de cães acomodados nas gramas, calçadas ou escadarias.

São animais de vários tamanhos, cores e raças. A solução para diminuir o número seria a adoção, porém, a maioria da população só quer os filhotes, enquanto os maiores continuam em situação de abandono.

Essa é a constatação da auxiliar administrativo Danielle Souza, 23. Ela criou, em 2012, uma página no Facebook que catalogou os animais de rua do bairro. No perfil “Ajude os animais de Perus“, ela divulga o nome e fotos dos bichos, além de sua localização. O objetivo é sensibilizar os moradores à adoção dos animais abandonados.

“As pessoas não adotam cachorros grandes com facilidade. Querem filhotes peludinhos, que são adotados em até dois dias. Os grandes são mais difíceis de serem doados, mas nós realizamos os mesmos procedimentos de castração e divulgação”, aponta Danielle.

Meses depois, a microempresária Adriana Pereira, 35, passou a auxiliar a amiga na divulgação e demais cuidados com os cachorros e gatos  em situação de rua –o que envolve a higienização, vacinação e castração.

X

Todos os interessados em adotar um animal respondem a um questionário formulado por elas, que aponta, entre outras coisas, o compromisso dos cuidados para com o bicho. Questionam a razão pela qual a pessoa quer adotar, se todos os integrantes da família estão de acordo e se o interessado mora em casa ou apartamento.

Depois, elas dão um parecer na página: pode adotar ou não. O parecer é teórico, claro, pois nada impede que o animal de rua seja adotado pela pessoa.

As “cuidadoras voluntárias”, como preferem ser chamadas, costumam realizar tours por Perus para levantar o número de animais deixados nas ruas. Segundo o levantamento, há cerca de 40 cachorros nas ruas do bairro, no cemitério e em construções abandonadas.

Para as cuidadoras, outra forma de enfrentar o abandono é investir na castração dos animais, por meio da conscientização da população.

“O pessoal não tem a conscientização de castrar seu próprio animal. Animais fogem, cruzam, dão cria e voltam para casa. Acredito que muita gente gostaria de castrar, mas não possui condições financeiras. O preço varia de R$100 a R$200, variando de acordo com a clínica e tamanho do animal”, afirma Adriana.

Elas deixam claro, porém, que o trabalho não tem fins lucrativos, não é uma ONG e muito menos um abrigo. “As pessoas acabam confundindo o trabalho e pedindo ajuda para seus próprios animais, sendo que nosso objetivo são os que estão na rua. Infelizmente, não conseguimos recolher todos os animais, pois não temos tem um abrigo físico. Pedimos lares temporários”, diz Danielle, que já adotou dois cães.

Ela diz que, em Perus, há muitas pessoas que se solidarizam, muitas levam comida ou água e algumas chegam até mesmo a levar vários animais para casa.

No dia 8 de fevereiro, a prefeitura fez uma campanha de castração em Perus, mas a divulgação foi tímida, segundo as cuidadoras. Para ajudar, Danielle e Adriana contrataram um carro de som e colagem de panfletos nos postes.

Jéssica Moreira, 22, é correspondente de Perus
@gegis00
jessicamoreira.mural@gmail.com

Blogs da Folha