Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Greve de ônibus atinge Osasco

Por Blog

Desde a última sexta-feira, comentários de paralisação dos ônibus já rondavam a cidade de Osasco, na Grande São Paulo, por conta de reivindicação do sindicato junto as empresas de ônibus (leia aqui). E a greve começou na manhã desta quarta (21).

Às 9h30 da manhã, no Jardim Veloso, zona sul da cidade, vários ônibus passavam, porém, tinham como destino a garagem da Viação Osasco. Alguns motoristas e cobradores faziam sinal negativo com a cabeça indicando que a greve realmente tinha começado.

Depois de dez coletivos, passou um com direção ao centro de Osasco que recebeu os passageiros. O motorista disse que estava apenas indo, mas não retornaria. Com ele, foi possível chegar a estação de trem. Mas nem todos tiveram a mesma sorte.

Moradora do Jardim Boa Vista, na zona sul, perto da divisa com São Paulo, a monitora Cassia Soares, 37, tinha duas opções para chegar ao centro, das duas empresas que atendem a cidade, mas nenhuma linha passou.

“Ficamos indignados. Como uma cidade como Osasco chega a essa ponto. Trabalho desde os 15 anos e hoje é a primeira vez que não vou trabalhar por não ter meio de transporte. Pagamos tantos impostos, tarifas, e quando precisamos ficamos na mão, reféns de uma situação que há dias a população inteira já sabia que ia acontecer, mas quem poderia intervir, nada fez”, afirma.

No centro de Osasco, o principal terminal estava vazio, com policiamento em volta.

Assim como São Paulo, a greve na cidade foi decidida pelos motoristas e cobradores. No município, eles  não aceitaram os 8% aprovados pelo sindicato, em discussão na terça (20). A prefeitura deu a entender que não vai intervir. Afirmou que “cumpriu seu papel” ao aprovar subsídio às empresas e que “a população não deve pagar pelos problemas entre empresas, condutores e cobradores”.

Duas viações, a Osasco e a Urubupungá (do mesmo grupo da Santa Brígida, que está em greve em São Paulo), atendem a cidade. A passagem custa R$ 3 e não oferece nenhuma integração com os trens da CPTM.

Paulo Talarico, 24, é correspondente de Osasco.
@PauloTalarico
paulotalarico.mural@gmail.com

 

Blogs da Folha