Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Ônibus em Carapicuíba param em dias de Brasil na Copa

Por Blog

No último sábado (28), parte dos motoristas e cobradores do transporte municipal de Carapicuíba, na Grande São Paulo, paralisaram suas atividades durante do jogo entre Brasil e Chile.  A interrupção prejudicou moradores que chegavam ao centro da cidade.

“Eu acho isso uma palhaçada! A gente precisa usar o transporte público e eles param. Tudo por conta dessa palhaçada de futebol. Você acha justo isso?”, reclama Zenaide Nascimento, 52, ao enfatizar que saiu da Mooca, zona leste de São Paulo, às 9h.

Minutos antes do primeiro gol do Brasil, no terminal improvisado, motoristas e cobradores das empresas Del Rey Transportes e ETT Carapicuíba que vinham dos bairros paravam e iam, rapidamente, assistir ao jogo na TV de plasma alocada em uma minúscula barraca de vendedor ambulante.

X

O clima era de tensão entre as pessoas que aguardavam a disponibilidade dos profissionais para o embarque ao se deparar que, logo à frete do ponto da linha Roseira Parque, profissionais das companhias de transporte assistiam, empolgados, o Mundial.

No ponto da linha São Daniel, a doméstica Tereza Gomes, 61, se surpreendeu ao perceber que não havia ônibus disponível. “Fui ao ponto Ariston, está parado. Fui pegar o circular, parado. A gente chega cansada do trabalho para ficar aqui esperando”, reclama a moradora que não gosta de futebol.

Havia oito coletivos parados da ETT e um da Del Rey enquanto idosos e um casal com criança de colo também aguardavam.  Dois coletivos somente retornaram ao expediente no fim do primeiro tempo da partida.

“É correto interrompermos a frota, todo mundo têm direito e as pessoas sabem que em horário de jogo nós paralisamos. Acaba não compensando transportar poucas pessoas”, explica o fiscal da Del Rey, Mauro Vitor Ferreira, 45,  enquanto se unia aos colegas para ver a competição.

“Pra mim é ruim. Não sei se seria justo com eles, porque como todas as pessoas não trabalham, os motoristas também têm o direito de ver a Copa”, afirma a estudante Vanessa Ramos, 18, no ponto da linha Vila Menk.

Em outra região da cidade, nos arredores da estação General Miguel Costa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), havia pouca movimentação de pessoas –três veículos da ETT e dois da Del Rey parados.

A paralisação do transporte municipal de Carapicuíba também ocorreu durante a partida entre Camarões e Brasil, no dia 23 de junho.  No ponto da linha Vila Dirce, aproximadamente 20 moradores aguardavam os ônibus, que permaneciam estacionados.

“É compreensível essa atitude. Eles são brasileiros como todos nós, não é?”, questiona a vendedora de frutas Nilva Lacerda, 46.

Procurada, a Del Rey Transportes nega a suspensão ao afirmar que houve aumento de 40% da frota em quatro horas antes do início do jogo e que, durante a partida, os coletivos tiveram intervalo de 45 min. A ETT Carapicuíba afirma que não houve paralisação nos dias mencionados pela reportagem.

Anderson Ferreira, 25, é correspondente de Carapicuíba
@anderson2908
andersonferreira.mural@gmail.com

Blogs da Folha