Fan Fest em Perus reuniu torcedores na periferia

Por Blog

Para quem achou que, durante a Copa, as torcidas de rua só se concentravam na Vila Madalena ou no Centro de São Paulo, moradores da zona norte provaram que também podem fazer bonito perto de casa.

A Praça do Samba do bairro de Perus, zona noroeste da cidade, foi um dos palcos de transmissões dos jogos do Brasil, além de shows durante a abertura e encerramento do evento.

Inicialmente, a ‘Fan Fest’ seria patrocinada pela Fifa, mas, segundo a Subprefeitura, “não houve tempo de acertar os contratos”; de toda forma, decidiram continuar com as transmissões.

O Blog Mural esteve em alguns jogos e o clima geral era de aprovação. “Vila Nova Cachoeirinha não tem um evento desses”, observou Renê Menezes, 19, auxiliar de escritório, que foi até Perus assistir à transmissão. Entre os frequentadores, estimados nos primeiros jogos em 4.000 pessoas, também estavam moradores de Taipas e Pirituba.

O público era diversificado, contando com familiares, amigos e vizinhos. Um grupo de garis aproveitou o momento para uma pausa no expediente. Muitas crianças ignoravam o jogo para brincar na praça com os colegas. E o traje, evidentemente, era verde-amarelo. “Aqui é Brasil, dos pés a cabeça”, comemorava Lucicleide Souza, 58, aposentada.

X

Muitos espectadores elogiaram o local pela estrutura e fácil locomoção, facilitando a reunião de amigos e familiares. “A Praça do Samba é dez. A limpeza, a organização, tudo muito bom. Tanto é que deixo o conforto da minha casa para aproveitar a festa”, afirmava o aposentado Sebastião Oliveira, 64.

Na última transmissão do Brasil, seja pelo pessimismo da disputa do 3º lugar, ou pela temperatura chegando à marca dos 13ºC,  o público foi reduzido para cerca de 150 pessoas. O desempenho dos jogadores em campo e a escalação de Luiz Felipe Scolari foi inspiração para diversos palpites.

Para o serralheiro Bruno Dantas, 25, faltou empenho nos dois lados. “Eu esperava mais força de vontade dos jogadores”, desabafava.  Bruno também dizia que  o atual esquema tático precisava ser revisto.  “Felipão deveria ter reforçado o meio de campo, ficou vazio”, avaliava.

Com o final da Copa, vida que segue. “O brasileiro, infelizmente, acaba levando o resultado da seleção às urnas. Mas não deveria. Deveria era levar para outras situações, aprender com os erros da administração da CBF e com a ineficiência do time”, refletiu Ricardo, 47, técnico, mas de produção.

Jéssica Costa, 23, é correspondente de Taipas
@eujessicacosta
jessicacosta.mural@gmail.com

Kelly Mantovani, 20, é correspondente da Vila Nova Cachoeirinha
@mantovanikelly
kellymantovani.mural@gmail.com

Leia Mais:

Perus vive ‘mini Virada Cultural’ por recuperação de fábrica abandonada

Confira dois lugares para ver os jogos da Copa em Itaquera

Vizinhos do estádio ficam de fora de abertura da Copa em Itaquera