Obra atrasada gera insatisfação em moradores do bairro de Pirituba

Por Blog

Os moradores das ruas Tapendi, Diogo Gonçalves e Padre Mariano Ronchi em Pirituba, zona noroeste da cidade de São Paulo, convivem, desde fevereiro deste ano, com a presença diária de tratores, escavadeiras, materiais de construção e poeira, muita poeira. As obras deveriam ter sido finalizadas no mês de maio, mas ainda estão em andamento, gerando reclamações dos moradores.

De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras (SIURB), os trabalhos fazem parte do Programa de Redução de Alagamentos. O objetivo é “minimizar os graves problemas de alagamento de vias e residências, além de ampliar a capacidade de escoamento da galeria”, explicou o órgão em nota oficial.

A sujeira da rua e o pó causado pelas obras gera irritação nos moradores. A dona de casa Maria Adelaide, 59, precisa varrer a rua diariamente para retirar a camada de terra da frente de seu portão. “A terra e o pó que entram aqui [em casa], é um horror. A gente fica doente, gripado. Minha filha mesmo está com a garganta ruim”, afirmou.

Um morador da rua Tapendi, que pediu para não ser identificado, falou sobre a dimensão do problema. “Em alguns dias tive que ligar para vizinha e pedir para ela buscar pão. Não conseguia sair de casa”, constatou o aposentado.

Outro problema resultante das obras na região é o local destinado ao depósito dos materiais. É o caso da Travessa Boda Espiritual, que liga a rua Tapendi à rua Tacoativa. As vias são rota de alunos das escolas Mario Kosel Filho e Olga Calil Menah, ambas na rua Urutinga.

X

O motorista e pai de três estudantes, Davi Bento, 52, recomenda aos filhos alterar o trajeto de volta. “A gente fica preocupado, mas é melhor [modificar a rota] do que passar pelos tubos e por todo aquele monte de areia e cimento”, alegou. Ele também reclama da dificuldade em levar seu filho mais novo à creche. “Coloco-o no colo e saio de casa as 7h da manhã. Preciso passar por todo aquele monte de terra para levá-lo até a perua [transporte escolar] que não consegue mais chegar próximo ao meu portão”, afirmou.

Pouco antes do fechamento desta reportagem, os responsáveis pelas obras retiraram parte dos materiais da Travessa Boda Espiritual, liberando o tráfego de pedestres e veículos na via. O volume de terra que impedia o morador aposentado de sair de casa também foi totalmente retirado. No entanto, a rua continua suja.

O novo prazo para o término das obras, segundo o Siurb, é no final do mês de agosto.

Yago Rudá, 20, é correspondente de Pirituba
@yagoruda94
yagoruda.mural@gmail.com

SAIBA MAIS
População cobra manutenção em principal parque de Mairiporã
Em São Bernardo, obra em escola está atrasada há dois anos
Obra da SPTrans desapropria comércios, mas desvia de atacadistas