Bar em Osasco tem roda de samba, vinis e quadrinhos

Por Blog

Mário Simões, 58, gosta de fotos desde a época de ‘moleque’. Tanto que criou em seu local de trabalho vários murais com imagens de artistas famosos e de times do futebol amador de Osasco, na Grande São Paulo, por onde jogou e comandou equipes.

Pelas paredes, por fora e por dentro, o desenho de personagens em quadrinhos decoram o espaço junto com aparelhos antigos como um rádio da década de 1950 e uma vitrola. Por fim, há uma biblioteca comunitária. Esse é o cenário do Bar Simões, no bairro do Quitaúna, que é comandado por ele desde 1976.

Perto de completar 60 anos, o espaço é batizado com o nome da família. Fundado por Manoel Simões, foi o filho Mário quem implantou o estilo atual. “Começou comigo. Meu pai [Manoel] era mais do bar tipo tradicional, muita mercadoria na prateleira”, relembra.

Os Simões chegaram ao Brasil em 1908 e foram primeiro para o interior de São Paulo. Após a crise de 1929, Manoel decidiu vir para a capital paulista. Depois de juntar recursos, conseguiu montar o bar em 1955 em Osasco. “Na época era uma mina de dinheiro, serviam 350 almoços por dia”, afirma.

O movimento vinha do quartel, praticamente vizinho do estabelecimento. Hoje, o foco são as programações como rodas de samba ao vivo, de 15 em 15 dias, e festas em que a clientela vira DJ no aniversário do espaço, em dezembro.

X

Localizado na avenida dos Autonomistas, perto da divisa com Carapicuíba, a fachada chama atenção com os desenhos do Homem Grilo,  personagem criado pelo roteirista Cadu Simões, filho do proprietário. Há revistas expostas sobre o herói defensor de ‘Osasco City’. Os gibis podem ser comprados pelo site petisco.org/loja.

Parte da decoração vem do gosto de Mário por música e levou a uma coleção com quase mil vinis. “Pelo menos uma hora, [meu pai] deixava o rádio ligado para descansar a mente e poder dormir”, conta.

Com isso, ele ouviu músicas de Noel Rosa, Aracy de Almeida, Dalva de Oliveira, Lupicínio Rodrigues, Carmen Miranda. Depois o gosto mudou para Beatles, Led Zeppelin, The Who, entre outros, que foram fazendo parte do seu acervo.

Morador de Osasco, antes mesmo da emancipação do município, o proprietário comenta que sente falta de espaços que não existem mais no município. “Já gostei muito mais [da cidade]. Tinha o Glamour, Estoril, que eram cinemas [de rua]. Hoje você vai dentro de shopping, para mim não tem mais graça”, diz.

Outras coisas também mudaram. “Hoje estou ficando sozinho, muitos amigos estão morrendo.  Tenho que me adaptar a nova realidade, de amizades novas, e a molecada que chegou me trata maravilhosamente bem”, completa.

Apesar dos quase 40 anos a frente do bar, o Mário Simões diz que gostaria de ter sido jogador de futebol. “Uma vez um cara perguntou: ‘Você gosta para caramba do bar?’ Não eu não gosto do bar. ‘Mas você trabalha bem para caramba’. Se eu sou obrigado a trabalhar bem, tenho que trabalhar bem”, conclui.

Av. dos Autonomistas, 6.098, km 18, Osasco, tel. 3608-5536. 60 pessoas. Seg. a sáb.: a partir das 11h. Preço: R$ 4 (cerveja em garrafa Crystal – 600 ml). Música ao vivo (sáb., 16h às 21h; quinzenalmente).

Paulo Talarico, 24, é correspondente de Osasco
@PauloTalarico
paulotalarico.mural@gmail.com