Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em homenagem ao pai, moradora resgata memória do Jaçanã

Por Blog

Eternizado por Adoniran Barbosa na música “Trem das Onze”, o bairro do Jaçanã, na zona norte de São Paulo, tem sua história e memória resgatadas na página do Facebook “Bairro do Jaçanã SP. Ontem e Hoje” criada este ano por uma moradora.

Katia Mahrenholz, 48, formada em Turismo, vive no bairro desde que nasceu e decidiu criar a página após o falecimento do pai. “Eu queria prestigiar meu pai que sempre viveu e amou o Jaçanã e também porque sempre que eu buscava alguma informação ou fotos antigas do bairro, não encontrava na Internet”.

Katia alimenta a página com imagens antigas e atuais do bairro. Amante da fotografia, ela registra locais do Jaçanã e conta um pouco de sua história. Algumas fotos são do acervo pessoal de sua família e outras enviadas por seguidores.

Foto divulgada na página Bairro do Jaçanã Sp Ontem e Hoje (Acervo da família de Kátia Mahrenholz)
Foto divulgada na página Bairro do Jaçanã SP Ontem e Hoje (Acervo da família de Kátia Mahrenholz)

A página acabou promovendo o reencontro entre pessoas. “Muitos seguidores acabam se encontrando, como pessoas que trabalharam numa mesma fábrica e alunas do antigo Colégio Santa Rita de Cássia, que se viram na foto depois de muitos anos”, relata Kátia.

Hermínio Naddeo, 70, aposentado, é um dos seguidores da página. Atualmente reside em outro estado, mas nasceu e frequentou o bairro na infância. Ficou sabendo dela pelo cunhado e acredita que ela consegue resgatar a memória do Jaçanã.

Aos sábados e domingos, ia com a família visitar o tio, que era chefe da antiga estação de trem que lá existia. “O Jaçanã tinha um pátio de manobra e os trens que não estavam circulando ficavam parados nos finais de semana. Meu irmão e eu íamos pra lá e brincávamos nos vagões com minhas primas”, relembra.

Para ele, é preciso falar das fábricas e da importância econômica do Jaçanã na época, como a metalúrgica Aliança (existente até hoje), no qual Hermínio começou a trabalhar aos 16 anos. “Era um bairro autossustentável, vinha gente de fora trabalhar lá”, afirma.

A jornalista Renata D’Elia, 30, mora no bairro desde que nasceu. Soube da página por indicação de uma amiga moradora de Moema. Para ela, mais do que divulgar a história do bairro, a página preserva sua memória. “Sobretudo a afetiva de quem vive aqui e de quem já viveu e está em outros bairros, ou dos curiosos sobre a cidade de São Paulo”.

Renata espera que a página ajude as pessoas a se mobilizarem para a conservação do bairro. “O povo que está morando que ficou por aqui, está muito desinteressado e anda mais nem aí para o bairro”.

Foto divulgada na página Bairro do Jaçanã SP Ontem e Hoje
Foto divulgada na página Bairro do Jaçanã SP Ontem e Hoje

 Leandro Fonseca, 22, é correspondente do Jaçanã.
@lefonsec
leandrofonseca.mural@gmail.com

 

SAIBA MAIS

Museu do Jaçanã exibe nova fachada e sedia debate sobre circos na periferia

Projeto une jovens para mapear áreas de concentração de lixo no Jaçanã

No Jaçanã, monumento está sujo um mês após ser inaugurado

Blogs da Folha