Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Passageiros reclamam de interrupção da linha 7 da CPTM nos fins de semana

Por Blog

A alteração na circulação da Linha 7 – Rubi da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) nos fins de semana tem gerado reclamações entre os usuários. Desde setembro de 2012, alguns trechos são interrompidos para obras de modernização e reparo das vias.

Ao sair para trabalhar ou passear, é comum encontrar algumas estações fechadas.  Como alternativa, os passageiros precisam recorrer ao sistema de ônibus PAESE (Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência). No entanto, o itinerário não é o mesmo que o do trem e faltam paradas em alguns trechos.

Entre as estações Barra Funda, região oeste, e Perus, na zona norte, quem recorre ao ônibus conta apenas com uma opção de parada em Pirituba. Para ter acesso a Água Branca, Lapa, Piqueri, Vila Clarice, Jaraguá e Vila Aurora é preciso fazer uma conexão por conta própria, com aumento do tempo e o custo da viagem.

É o caso do vigia José Roberto dos Santos, 43. Em dias normais, ele costuma levar 45 minutos da zona leste até a estação Piqueri. Aos domingos, já chegou a gastar o triplo do tempo.

“Como o ônibus não para na estação, pego mais um e gasto R$ 4,65 e não os R$ 3 de sempre”, diz. Ele não percebe melhorias na linha e aponta problemas como as inundações em um ponto dentro da estação Piqueri.  “Já molhei roupas e sapatos ali”, afirma.

X

A linha Rubi atende 465 mil pessoas da capital e de Caieiras, Franco da Rocha, Francisco Morato, Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista e Jundiaí, municípios da Grande São Paulo. Aos domingos, são 128 mil passageiros.

O porteiro Márcio Barbosa, 29, prefere não pagar ônibus extra. “Fico bem na frente e explico ao motorista que preciso descer no caminho”. Segundo ele, a maioria entende, mas alguns alegam problemas com os fiscais e não param. “Vejo muita discussão feia”, garante.

Para o estoquista Elvis Alves, 22, e a assistente Cláudia Malmagro, 16, a troca do trem pelo ônibus atrapalha bastante. Segundo eles, após um passeio com o sobrinho, a volta para casa se torna cansativa.

No dia 2 de novembro, o Mural testou o funcionamento do ônibus PAESE entre as estações Barra Funda e Perus. Ao questionar sobre como descer durante o trajeto, recebeu informações diferentes. Um fiscal na Barra Funda disse que bastava falar com o motorista. Contudo, em Pirituba, outro funcionário disse que precisava autorizar o motorista a parar e pediu ao passageiro que entrasse pela porta da frente, para ficar próximo ao condutor.

A CPTM estima concluir as obras na linha entre 2015 e 2016. A companhia admite haver “incompatibilidade da rota viária com o local das estações” e que se os ônibus pararem em todas as estações, o tempo será muito longo.

Além disso, a empresa diz solicitar que a SPTrans oriente os motoristas a permitir o desembarque em outros pontos informados pelos passageiros, mas apenas se estiver “no traçado dos ônibus e que os pontos de parada sejam homologados pela EMTU e/ou SPTrans”.

A SPTrans informou que para alterar a rota de atendimento, a CPTM deverá enviar uma solicitação formal de alteração no convênio firmado entre as empresas, que atualmente prevê paradas apenas nas estações determinadas.

Sidney Pereira, 58, é correspondente de Vila Maria
@sidneypereira00
sidneypereira.mural@gmail.com

SAIBA MAIS:

Um relato da linha 7

Trens antigos e constantes falhas na linha 7 da CPTM irritam usuários

Após falha, CPTM manda passageiro pular de um trem para outro

Blogs da Folha