Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Jardim São Luís recebe 1º Congresso de Escritores Periféricos

Por Blog

No dia 23 de novembro ocorreu na Fábrica de Cultura do Jd. São Luís, na zona sul de São Paulo, o 1º Congresso de Escritores Periféricos, por iniciativa do coletivo de comunicação Desenrola e Não Me Enrola, com apoio do VAI (Programa Municipal de Valorização de Iniciativas Culturais).

Durante o ano, o grupo promoveu oficinas para jovens que produziram reportagens e vídeos sobre eventos culturais. O projeto foi finalizado com a realização do congresso, que contou com a presença de poetas de saraus e escritores divulgando seus livros, além de músicos.

A ideia do congresso foi abordar temáticas que estão em evidência, segundo Raphael Poesia, 20, um dos organizadores. Para ele, o evento proporciona um espaço para os escritores de periferia discutirem questões da área e se fortalecerem.

Mesa sobre incentivo à produção literária com Michel Iakini, Fuzzil, Serginho Poeta, Márcio Ricardo e Robsoul
Mesa sobre incentivo à produção literária com Michel Yakini, Fuzzil, Serginho Poeta, Márcio Ricardo e Robsoul

“Eles [os escritores] estão tendo oportunidade de dialogar uns com os outros. Acabam trocando as ideias. Não está fácil lançar um livro, porque ainda tem um custo alto, mas está mais fácil, pois as pessoas estão acreditando mais nos seus sonhos. Juntar esse monte de escritores discutindo isso acaba fortalecendo”.

Raphael diz acreditar que a maioria dos jovens nas escolas públicas não possuem estímulo para ler. Segundo ele, a literatura periférica acaba proporcionando esse hábito.

“[Com] os próprios moradores da periferia fazendo literatura, indo nas escolas, os jovens acabam se identificando. O cara lê um Sérgio Vaz, Akins Kintê, Ni Brisanti, escritores que estão perto dele e vivem na mesma realidade, e ele se identifica, começa a gostar de literatura”.

Dentre os temas das mesas de debate, estava o incentivo à produção literária, mercado editorial, literatura negra e da mulher da periferia, além de uma discussão sobre o Plano Municipal Livro, Literatura e Biblioteca.

Rose Dorea, Maria Vilani, Luciene Santos e Alessandra Raphael na mesa "A força da mulher na literatura"
Rose Dorea, Maria Vilani, Luciene Santos e Alessandra Tavares na mesa “A força da mulher na literatura”

“Nós temos saraus, publicações, mas é bom ter um espaço de reflexão sobre nossa produção”, aponta Michel Yakini, 33, escritor e membro do coletivo Elo da Corrente, de Pirituba.

Luciene Santos, 51, moradora de São Mateus, desconhecia o movimento literário da periferia antes de publicar seu primeiro livro, mas por indicação de amigos passou a circular pelos espaços onde ocorrem os saraus. “Eu não entrei no movimento, já estava nele porque moro na periferia e porque estava à margem do mercado editorial”, acredita Luciene.

Além dos debates dos escritores, houve uma intervenção de poesia do coletivo Poetas Ambulantes. O evento também contou com apresentações musicais de Camila Brasil, Nayara Konno e Marcelo Monteia.

Leandro Fonseca, 22, é correspondente do Jaçanã
leandrofonseca.mural@gmail.com
@lefonsec

Lívia Lima, 27, é correspondente de Artur Alvim
livia.mural@gmail.com
@livialimasilva

SAIBA MAIS: 

– Escritora do Jardim Damasceno viaja pelo mundo da literatura fantástica

– Morador do Campo Limpo escreve trilogia sobre bairros periféricos

– Periferia de SP se destaca em Feira do Livro de Buenos Aires

Blogs da Folha