Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Ciclistas e pedestres dividem espaço de ciclovias em calçadas na zona leste

Por Blog

Implantadas no final de outubro, as ciclovias Itaquera, Curuçá e Jardim Helena,  na zona leste de São Paulo, apresentam problemas como postes e pontos de ônibus no meio das pistas.

No trecho da rua Cardon, Itaquera, a faixa exclusiva para ciclistas foi implantada sobre a calçada e, mesmo com o alargamento para receber a pista, pedestres ficaram sem espaço em boa parte do passeio público. Até um mês atrás, ela se encontrava com pontos de ônibus, sem espaço para desviar.

Os pontos cobertos foram retirados como solução. “Acho bom que instalem eles de novo”, diz o tapeceiro Pedro Moreira, 52.

Segundo a SPObras, responsável pela instalação de paradas de ônibus, a retirada foi feita devido a solicitação da SPTrans para implantação das ciclovias. “Estamos estudando junto à SPTrans o local de reinstalação dos abrigos, possivelmente nos mesmos locais.”

A CET (Companhia de Engenharia e Tráfego), responsável pelo planejamento das ciclovias, afirma que, mesmo com as mudanças, o alargamento das calçadas representa um ganho aos pedestres.

X

Na Vila Curuçá, a ciclovia mudou de rota. As ruas e calçadas das ruas Cembira e Ivoturucaia estiveram em obras desde o início do ano para recebê-las, mas o trajeto foi alterado para a avenida Deputado Doutor Aristodemo Pinotti, paralela.

Durante o período de execução nas duas vias, as novas calçadas ficaram mais baixas que o asfalto e, ao mesmo tempo, mais altas que o nível das residências, o que resultou no alagamento de casas.

Alguns moradores não conseguiam tirar os carros da garagem pois a calçada impedia a abertura dos portões. Após reclamações,  asfalto e passeio foram realinhados.

Ao saber da alteração do local da faixa, moradores reclamaram. A dona de casa Cristina Alves, 39, perdeu geladeira, piso e sofá na enchente. “Os prejudicados fomos nós que nem queríamos ela. E esse gasto público? Sem falar que ainda não choveu tanto aqui para saber se vai alagar de novo ou não”, enfatiza.

A CET diz que ao saber dos alagamentos, refez as calçadas sem custo e transferiu a ciclovia para a Aristodemo Pinotti porque a avenida liga São Miguel Paulista ao bairro Jardim Helena.

NA ESQUERDA

Para o ciclista José Meneses dos Santos, 40, a ciclovia transferida para a Aristodemo Pinotti não é adequada. “É estreita e ainda está na faixa da esquerda. Qualquer carro que perder o controle, vai se jogar para a esquerda. Lugar de bicicleta é na rua, mas tem que ser do lado direito para ser seguro.”

Há um mês, duas crianças morreram atingidas por um carro ao pedalarem no local. O limite da avenida é de 60 km/h e a ciclovia ainda atravessa uma das pistas.

A avenida Oliveira Freire, Jardim Helena, também ganhou ciclovia sobre a calçada. Lá, alguns postes estão no meio do caminho. Acostumados a deixar sacos de lixo encostados nos postes à espera do recolhimento, moradores acabam criando novos obstáculos nas pistas de bicicleta. A CET não respondeu sobre o problema.

Renata Asp, 23, é correspondente de Itaquera
@renataasp_
renataasp.mural@gmail.com

SAIBA MAIS:

– Moradores da Nova Curuçá querem que CET retire bloqueios de avenida

– Olhar Mural: quem cuida das bicicletas em São Miguel?

Em Itaquera, pátio de eventos se tornará rua para melhorar trânsito

Blogs da Folha