Parque fica sem manutenção e afeta moradores em Guaianases

Por Blog

Janelas quebradas, lixos espalhados por toda parte, paredes pichadas, bebedouros depredados, árvores caídas e sem cuidado. Essa é a situação do “Parque de Guaianases”, como é popularmente conhecido, na zona leste de São Paulo.

Construído em janeiro de 2013, o parque, oficialmente chamado de “Linear Guaratiba”, tem 29 mil m² e está localizado ao lado da linha 11 – Coral da CPTM.

Segundo moradores, o local já foi um espaço abandonado, abrigou uma feira do rolo e um parquinho de diversões. Para o funcionário público Valdeci Figueroa, 50, morador e frequentador da área de lazer, a situação é grave e as reclamações não foram ouvidas.

“O que acontece hoje é lamentável e não pode continuar assim, já que a população recorreu por diversas vezes aos órgãos públicos, como a subprefeitura de Guaianases, e não obteve respaldo. Aqui era muito bom, tudo limpo, a empresa cuidava da grama e da limpeza”, reclama sobre a empresa que era responsável pelo serviço no local.

X

De acordo com a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente (SVMA), diariamente circulam por volta de 300 pessoas e 200 nos fins de semana, sem considerar quem utiliza o espaço apenas como passagem.

Vagner Santos, 22, é um caso atípico. Depois de sofrer por problemas familiares, o jovem passou a fazer parte da paisagem de quem frequenta o parque. Pai de um filho de 10 meses, o rapaz aproveitou a degradação para se abrigar em cima da caixa d’água abandonada e assim permanece o dia todo. “Sou o administrador e gerente deste parque”, afirma.

“Se a prefeitura vir ver a situação do parque vai ser bom, porque pode melhorar para a comunidade e é uma esperança para mim. Pode ser que me ajudem a conseguir um lugar melhor para morar”, ressalta.

No portal da SVMA, consta que o parque possui diversas espécies como embaúba-vermelha, guapuruvu, jerivá, mangueira, sombreiro e tipuana. Porém, diversas árvores estão amarradas a pedaços de paus e outras estão caídas no chão.

A última ação de conservação do ponto, conforme relato dos frequentadores, foi no início de outubro, com a plantação de 100 mudas de árvores, além da distribuição outras espécies de vegetação à população.

A assessoria de imprensa da subprefeitura de Guaianases comunicou que o parque está sobre a jurisdição da SVMA, que já foi notificada da situação no local. A pasta afirma que a contratação dos serviços está em processo de licitação e que a situação deve ser normalizada até o mês de março de 2015.

Lucas Veloso, 20, é correspondente de Guaianases
lucasveloso.mural@gmail.com

SAIBA MAIS:

Em Guaianases, mulheres vítimas de violência escrevem livro de contos

Morador da zona leste apresenta tese de doutorado sobre periferia em Guaianases

Moradores da Vila Ema fazem protesto por parque no bairro