Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Morador doa tonelada de alimentos após sobreviver à queda de helicóptero

Por Blog

Idevanir Arcanjo, 48, já distribuiu uma tonelada de alimentos entre frutas, legumes e verduras a moradores do Jardim das Camélias, zona leste paulistana.

A ação é realizada todas as sextas-feiras em frente à Assocam (Associação Camélias de Desenvolvimento e Valorização Humana), presidida por ele.

Arcanjo, morador do bairro há 30 anos e lider comunitário,  foi um dos três sobreviventes da queda de um helicóptero na zona norte de São Paulo em janeiro de 2013. A única vitima fatal foi o piloto Marcelo Araújo.

“Foi uma grande oportunidade que Deus me deu e a gente está fazendo este trabalho que Ele demandou para nós”, afirma Arcanjo, se referindo à queda da aeronave no jardim Rincão.

X

Cerca de cem famílias foram previamente cadastradas no programa. Para se inscrever, cada interessado precisou provar ter renda familiar abaixo de dois salários mínimos e morar na região do Jardim das Camélias.

A dona de casa Vera Lucia Millani, 65, diz que foi na feira livre do bairro e comprou poucas frutas por conta do preço alto.  “Aqui salvou a semana, levei o que queria e não gastei nada. Produtos muito bons. Vou voltar semana que vem”, comemora.

O aposentado Antonio Carlos Siqueira, 71, pegou manga, alface, tomate e batatinhas. “Os feirantes de terça ficaram R$ 40 mais pobres, pois aqui levei produtos de boa qualidade e não gastei nada”, brinca.

Os alimentos, que são distribuídos todas as sextas-feiras em frente à Assocam, são doados por varejistas e atacadistas do sacolão da Mooca e do Ceagesp. A ação conta com ajuda do Orfanato Lar Dona Cotinha e de um grupo de amigos que formaram a Liga do Bem.

Arcanjo afirma que os alimentos não são sobras, mas doações dos estoques dos varejistas. “Cada um doa uma ou duas caixas de frutas ou legumes e assim vamos compondo o que necessitamos”.

O organizador está preocupado com o aumento das famílias, pois de uma semana para outra a demanda cresceu mais de 50%.

“Já avisei aos parceiros que vamos precisar de mais alimentos, pois nossos vizinhos precisam comer. Vamos também recorrer ao Banco de Alimentos da Prefeitura e a outros atacadistas do Ceagesp”, conta Arcanjo.

Vander Ramos, 54, é correspondente do Itaim Paulista
@vander521
vander.mural@gmail.com

X

 

Blogs da Folha