Com aulas em andamento, alunos têm problemas para renovar Fies em SP

Estou no último ano de jornalismo na Fiam-Faam, na cidade de São Paulo. Assim como milhões de estudantes de baixa renda pelo país, aderi ao Fies (Financiamento Estudantil), do governo federal, para prosseguir no curso.

A cada semestre, tenho que confirmar na CPSA (Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento),  da faculdade se continuo com o contrato. Um processo simples e rápido. Mas, neste ano, o aditamento tem causado transtornos a muitos universitários.

Em janeiro, recebi a convocação por email para renovação. Na época, manchetes dos jornais diziam que os alunos não conseguiriam aditar, devido aos reajustes das mensalidades acima de 6,5%. Mesmo com isso, mantive expectativas positivas.

A princípio, deu certo, porém, por pouco tempo. Semana passada, recebi um novo email, dizendo que houve um erro no valor da semestralidade e para ir novamente à CPSA resolver o problema. Tentei, em vão. Terei que voltar no dia 20 do próximo mês, pois o sistema está congestionado.

De acordo com funcionários da CPSA, que pediram para não serem identificados, devido a grande demanda de acessos ao sistema, novas regras nos contratos e reajustes nas mensalidades, mais de 1.800 alunos do complexo FMU, que inclui a Fiam,  estão sendo prejudicados. A previsão de normalização é até 20 de abril.

dgagavadvqddadsvdgsdgag
Em meio ao início das aulas, Thábata não conseguiu renovar o Fies (Kelly Mantovani/Blog Mural)

O sentimento de frustração é parecido com o de Thábata Sabrina, 20, moradora de Diadema, na Grande São Paulo, e estudante do último ano de jornalismo. No dia da solicitação, segundo ela, apareceu o erro E0314, em que o aditamento solicitado não atende aos parâmetros estabelecidos pelo SisFies, pois o valor definido pela faculdade ultrapassou os 20% propostos como reajuste semestral.

Thábata afirma que foi orientada a voltar no dia 15, no entanto, sentiu insegurança nas informações prestadas. “De acordo com o funcionário, se a faculdade não reajustar o valor, não sabe como vai ser de fato, é só esperar e rezar para dar sorte. É um absurdo”, critica.

Ainda segundo a estudante, é um problema que deveria ser resolvido antes do início das aulas para estudar sem medo. “Espero que seja resolvido o quanto antes, estou no último ano da faculdade e queria focar no TCC e não no erro”, desabafa.

Em nota, o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), responsável pelo Fies se limitou a dizer que o sistema está aberto para solicitação de aditamento de contratos desde o dia 28 de janeiro, e o prazo se estende até 30 de abril. Caso ocorram problemas, o aluno deve entrar em contato com a central 0800-616161, para falar sobre a situação.

Procurada, a assessoria da FMU não respondeu sobre a quantidade de alunos afetados e se todos podem continuar estudando. Em nota, a faculdade afirma que o Sisfies apresentou instabilidade durante toda a tarde de ontem, gerando inoperância e reduzindo a capacidade de atendimento. Os alunos que esperavam tiveram que ser remanejados para hoje, gerando uma espera maior. “A esses estudantes foi dada também a possibilidade de retorno nos próximos três dias, em turnos de sua preferência”.

A faculdade também afirma que não possui autonomia na aprovação ou aditamentos dos contratos do Fies, prerrogativa exclusiva do Governo Federal, por meio do MEC, e que não estabelece nenhum limite de vagas, valores ou disciplinas. “Qualquer limitação é responsabilidade exclusiva do Governo Federal. A Instituição informa que não tem medido esforços para que o direito de todos os beneficiários do FIES seja mantido, garantindo a continuidade dos estudos de seus alunos”, conclui.

Kelly Mantovani, 21, é correspondente da Vila Nova Cachoeirinha
@mantovanikelly
kellymantovani.mural@gmail.com

SAIBA MAIS:

Universitários bolsistas enfrentam dificuldades para conseguir passe livre

Apesar de convites, bloco da zona norte descarta virar escola de samba

Olhar Mural: Calçadas na Vila Nova Cachoeirinha têm problemas

Comentários

  1. Também sou aluno da FMU, eu era do curso de Direito até o semestre passado, mas mudei para o curso de Odontologia este ano de 2015.

    Fiz meu aditamento de transferência integral de curso (pois possuo os requisitos), porém não consigo fazer o aditamento de renovação igual as colegas da notícia.

    Me pediram para abrir demanda no site da FNDE, porém não me responderam até o momento (como é de praxe). Me pediram também para voltar lá dia 20.

    Já estou encaminhando toda documentação para o meu advogado, pois dependo do FIES para cursar faculdade.

    O MEC faz alterações unilateral (quando bem entendem), o Cid Gomes diz que ninguém será prejudicado, e o que acontece?

    Estamos preocupados, sem fazer aditamento e sem paz.

Comments are closed.