Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Moradores da periferia usam ônibus para levar pet ao veterinário

Por Blog

A lei que autoriza levar animais domésticos de pequeno porte nos ônibus de São Paulo completou um mês. O Mural conversou com moradores da periferia que já usaram o serviço para chegar ao hospital veterinário público municipal, na Parada Inglesa, zona norte.

Atualmente, duas unidades prestam serviços veterinários gratuitos na capital –a outra fica no Tatuapé, zona leste. Cerca de mil animais são atendidos em nove especialidades toda semana.

A cadelinha pinscher Bebê, 12, passou a ser oficialmente passageira do serviço de transporte coletivo neste mês. Hipertensa, cardíaca e cega do olho direito, Bebê precisa fazer acompanhamento médico periódico. Seus donos, a auxiliar de limpeza Dinalva Correia, 55, e o pedreiro Severino Silva, 55, tomaram três ônibus para levar o animal, de Ermelino Matarazzo, na zona leste, até o hospital na região norte.

Foram duas horas de viagem, mas eles garantem que não houve qualquer problema com motoristas ou passageiros e a cachorra ficou tranquila durante o percurso. “Ela veio sem medo. Gostaria de ter ido ao veterinário no Tatuapé, mais perto de casa, mas lá eles não atendem casos de cardiologia”, explica Dinalva.

X

Moradora do Ipiranga, a dona de casa Mariangela Lima da Silva, 46, trouxe o gato Toy, 6, para passar por uma cirurgia dentária. Ela elogia o atendimento do hospital, mas critica a falta de médicos em todas as especialidades. “O Toy passou pelo dentista no Tatuapé, mas tive que vir até a zona norte para a cirurgia, pois lá não fazem”, diz.

“Antes mesmo da lei, eu já usava o ônibus para levar o gato ao veterinário e nunca ouvi qualquer comentário negativo. Além disso, não tenho como gastar 70 reais de táxi para chegar aqui”, explica Mariangela.

Com o pinscher Boby, 4, devidamente acomodado na caixa de transporte, o cozinheiro Emerson Lima, 38, contou que logo após a publicação da lei municipal teve a entrada negada em um veículo da linha 1702 – Jova Rural/Tietê. “O ônibus parou no ponto, mas o motorista disse que eu não poderia entrar com o cachorro”, diz. “Como não sabia da nova lei, não reclamei”, completa.

Ao lado da mulher, a atendente Rita Viturino, 43, o cozinheiro embarcou no ônibus de volta pra casa, no Jaçanã, desta vez sem qualquer contratempo, levando o cachorro que fez exame de sangue e já teve nova consulta marcada.

Sobre a ocorrência relatada na linha 1702, que passa em frente ao hospital veterinário, a Spencer Transporte diz que “os operadores do Consórcio Transnoroeste foram orientados a respeito da lei”.

Já a secretaria municipal da Saúde informou que “todas as especialidades estão funcionando normalmente nas duas unidades, exceto endocrinologia e cardiologia, que são oferecidas somente na unidade Norte, e ortopedia, na Leste”.

Conheça aqui a íntegra da lei 16.125, que regulamenta o transporte de animais domésticos nos ônibus de São Paulo.

Serviço

Hospital Veterinário Público do Município de São Paulo

Unidade Zona Norte: Av. General Ataliba Leonel, 3.194 – Parada Inglesa.
Telefone: (11) 2478-5305

Unidade Zona Leste: Rua Serra de Japi, 168 – Tatuapé.
Telefone: (11) 4323-8502

Quer receber as notícias do Mural por email? Cadastre-se

Sidney Pereira, 59, é correspondente de Vila Maria
@sidneypereira00
sidneypereira.mural@gmail.com

 

SAIBA MAIS

Moradoras criam página para catalogar cães de rua em Perus 

– Como cuidar de animais de estimação na periferia de SP

– Na Vila Guilherme, moradora divide casa com família e mais de 30 animais 

 

Quer receber as notícias do Mural por email? Cadastre-se.

Blogs da Folha