Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Comunidade comemora 15 anos do Samba da Vela na zona sul

Por Blog

Há 15 anos é assim. Toda segunda-feira, uma roda de samba em torno de uma vela reúne em Santo Amaro, zona sul de São Paulo, simpatizantes, cantores, músicos, compositores e sambistas tradicionais que apresentam músicas inéditas para o público.

O Samba da Vela nasceu em 17 de julho de 2000, idealizado por Chapinha, Magnu Sousá, Maurílio de Oliveira e Paquera (morto em 2014) para incentivar o compositor de samba tradicional.

Tudo começou no espaço cultural Ziriguidum, na rua Doutor Antonio Bento, e depois foi para a Casa de Cultura de Santo Amaro. O projeto abriu portas para outros sambas na periferia de São Paulo.

Um dos fundadores é o músico José Marilton da Cruz, 57, mais conhecido como Chapinha. Ele conta que a comunidade Samba da Vela é um marco em sua história como sambista. “É uma realização pessoal, coletiva e espiritual ao mesmo tempo. Foi a melhor forma que encontrei para dividir aprendizados em todos os sentidos”, declara.

X

A comunidade cresceu e hoje é uma das rodas de samba mais tradicionais da cidade. A festa começa quando a vela é acesa e só termina quando a chama se apaga. Com um público diversificado, a cada semana o samba recebe cerca de 250 pessoas.

Segundo Chapinha, dali já saíram vários músicos, inclusive meninos que estavam ‘meio sem direção’. “A cultura transformou para melhor a vida de muita gente na zona sul, especialmente aqueles que não tinham acesso à cultura”, conta. “Locais como Samba da Vela e Cooperifa, passaram a ser um espaço para os artistas anônimos, músicos, poetas e outros do mundo artístico e cultural”, diz.

O aniversário foi comemorado na segunda-feira (20) e contou com a presença de Osvaldinho da Cuíca e as Velhas Guardas do Samba de São Paulo, Camisa Verde e Branco, Vai Vai e Nenê da Vila Matilde.

“O samba estava muito mais vibrante. A alegria da velha guarda e dos fundadores contagiou a todos, o clube lotou e saímos extasiados de lá”, conta Erika Ventura, 29, moradora do jardim Celeste, na zona sul.

William Fialho, morador do jardim São Luís, músico e compositor, diz que a comunidade é um quilombo cultural, em que se refugiam todos aqueles que tem sede pela arte. “Foi assim comigo, me refugiei por aqui há 15 anos. Desde o início, tenho imenso orgulho de fazer parte e de ter contribuído de alguma forma para que a comunidade esteja aí viva”.

Como diz uma das canções: Quando a vela acender/Eu vou cantar meu samba até prevalecer […]/ Quando a vela se apagar e o samba terminar/saudade não me deixe ir embora/Meu peito vazio implora/Que uma luz me ilumine agora.”

Quer receber as notícias do Mural por email? Cadastre-se

Cíntia Gomes, 31, é correspondente do Jardim Ângela
@cintiamgomes
cintiagomes.mural@gmail.com

LEIA MAIS SOBRE A REGIÃO:

Professores e alunos do Jardim Ângela reivindicam melhorias nas escolas

Blocos de rua agitam carnaval na região do M’ Boi Mirim

Músicos usam samba para mudar cenário de violência na Brasilândia

Blogs da Folha