‘Roupas do Rolê’ geram renda em Ferraz de Vasconcelos, na Grande SP

Por Blog

“Chapéu, sapato ou roupa usada, quem tem?”, perguntava o personagem Seu Madruga em um episódio de “Chaves” para arrecadar peças na vila fictícia. Já em Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo,  os artigos doados ao brechó da artesã Lucimara Alves da Silva, 51, ganharam o apelido de “roupas do rolê”.

O bordão, sugerido por clientes do estabelecimento montado na garagem da casa da mãe de Lucimara no jardim Castelo, surgiu depois que a clientela começou a usar as peças em passeios.

Este é o terceiro brechó que ela administra. O trabalho começou por conta da religião e hoje a artesã consegue complementar a renda da casa.

“Coloquei no meu coração que queria doar o piso da igreja onde participo. No ano passado, montei o primeiro brechó na igreja e com cinco meses de funcionamento, consegui comprar os 210 metros de piso”, afirma. “Sobraram algumas roupas e sapatos, e resolvi continuar vendendo na minha casa”.

Lucimara abriu as portas do estabelecimento há dois meses para vender roupas, sapatos, bolsas, vestidos de noivas, peças de artesanato (biscuit) e acessórios novos e seminovos que variam entre R$ 1 a R$ 10.

A empreendedora tem várias maneiras para arrecadar os produtos que vende no brechó. “Recebo doações de pessoas da igreja e de clientes, tenho uma parceria com uma loja de noivas da cidade. Também visito outros brechós a fim de comprar artigos e trazer novidades para meu comércio”, conta.

X

A dona de casa Valdete Ferreira Silva, 36, diz que adquire roupas no brechó para ela e os filhos. “Às vezes, não tenho dinheiro para comprar roupas novas em loja e aqui encontro com a mesma qualidade”, conta.  A professora Daniela Teixeira, 31, explica que sua compra depende da necessidade e da oferta de produtos. “Aqui, o que mais me chamou atenção foram as calças jeans, pois estavam em ótimo estado e em conta”, afirma.

Lucimara é artesã há 13 anos, reconhecida pelo Sebrae. Ela expõe os trabalhos de biscuit para vender no brechó e divulga as peças nas redes sociais (Biscuit & Cia)

“Meu filho aprendeu a fazer biscuit com uma professora da escola e ele recebia vários pedidos. Então, comecei a ajudá-lo nas encomendas e acabei ficando com a profissão”, relata.

Durante as aulas do Sebrae, que frequentou na secretaria de Indústria e Comércio de Ferraz de Vasconcelos, a artesã estudou as noções de contabilidade que aplica nas finanças do brechó.

“Aprendi como lidar com o mercado e, principalmente, com o dinheiro que ganho para gerar lucro. Aqui, controlo separadamente as vendas do artesanato e das roupas”, diz.

Além disso, ela doa uma parte da renda à igreja como forma de gratidão. “Deus já me deu tantas coisas.”

O brechó está localizado na Rua dos Sabiás, 27, Jardim Castelo, Ferraz de Vasconcelos (SP). O horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas.

Aline Pagliarini, 24, é correspondente de Ferraz de Vasconcelos
alinepagliarini.mural@gmail.com

SAIBA MAIS
Escritório compartilhado reúne empreendedores na zona leste
Ciclofaixa aos domingos incentiva empreendedorismo na zona leste
Biblioteca comunitária de Paraisópolis faz ‘vaquinha’ para evitar fechamento