Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Sem cobrador, motorista acumula trabalho enquanto dirige ônibus

Por Blog

Quem pega ônibus regularmente sabe que o ofício de cobrador vai além de validar o bilhete único ou trocar a passagem em dinheiro. Seu trabalho inclui otimizar o espaço quando o veículo está lotado, pedindo “um passinho, por gentileza”, e impedir a circulação do carro enquanto há algum idoso, grávida ou deficiente físico em pé, conforme determina uma lei municipal.

“O motorista lá na frente não consegue ver isso”, explica a diarista Maria Aparecida,53.

No entanto, os motoristas, atualmente, estão acumulando todas estas funções. Eles dirigem, recebem passagens em dinheiro e liberam a catraca. Precisam estar atentos ao retrovisor nas paradas durante o desembarque de passageiros.

No caso de cadeirantes,  o motorista abandona o volante, deixa o veículo e manuseia o elevador para  embarcar ou desembarca o passageiro com necessidades específicas. Somente depois, volta e dá partida para o ônibus seguir viagem.

O condutor Heronildo Paulo da Silva, 62, que está há 9 anos na linha 8016-10, que vai do Terminal Pirituba ao Jd. Rincão, afirma que está trabalhando há cerca de 5 meses sem cobrador. A informação é de que a cooperativa em que trabalha desligou 90% do efetivo por motivo de “contenção de despesas”. “Na realidade, foi reajustada a tarifa, mas não foi repassada à eles”, relata.

Ônibus segue viagem após desembarque de um cadeirante ajudado pelo motorista. Foto: Aline Kátia Melo/Mural
Ônibus segue viagem após desembarque de cadeirante ajudado por motorista. Foto: Aline Kátia Melo/Mural

Quanto à rotina, ele desabafa: “No começo, a gente estranha a falta do companheiro [cobrador] ali, mas com o passar dos dias a gente vai se habituando. Não é bom, não vou mentir. Mas a gente se habitua”. E deixa claro que o trabalho dobrou, mas o salário não. “Não houve reajuste”.

Os passageiros sentem a falta dos cobradores. “Atrasa as viagens porque os motoristas têm que ficar dando troco e liberando a catraca. [Isto] tira sua atenção do motorista do trânsito”, opina a funcionária pública Ana Cristina Gomes, 37, moradora da zona norte.

Os cobradores, além de ajudarem com itinerários quando os passageiros não sabem se estão próximos de seus destinos, também têm a função de auxiliar no embarque e desembarque de deficientes. Eles armam o elevador, descem até a calçada e os ajudam a descer dos coletivos.

Muitas vezes, de forma improvisada, manuseiam uma porca de parafuso presa num elástico para avisar, com o sinal sonoro, que o motorista pode seguir viagem após a descida de um passageiro.

“É melhor quando tem cobrador. A situação fica pior nos horários de pico. Atrapalha muito porque nem todo mundo tem cartão. Às vezes, o motorista tem que parar em um lugar proibido ou continuar dirigindo enquanto atende passageiros”, conclui Maria Aparecida ,53 moradora de Guiaianases.

Quer receber as notícias do Mural por email? Cadastre-se

Aline Kátia Melo, 32, é correspondente da Jova Rural
@alinekatia
alinekatia.mural@gmail.com

Jéssica Costa, 24, é correspondente de Taipas
@eujessicacosta
jessicacosta.mural@gmail.com

Lucas Veloso, 20, é correspondente de Guaianases
lucasveloso.mural@gmail.com

SAIBA MAIS
Corredor de ônibus Diadema-Brooklin completa 5 anos
Recarga do Bilhete Único é suspensa em 24 estações do metrô
Terminal em São Caetano tem infiltrações e falta de manutenção

Blogs da Folha