Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Na zona norte, crise aumenta procura por reparo de roupas

Por Blog

A crise financeira no Brasil tem atingido a periferia de São Paulo de formas distintas. Na Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte de São Paulo, comerciantes ouvidos pelo Mural estimam que o movimento de clientes encolheu até 30% na região, mas há setores que lucram mesmo em tempos difíceis.

O cenário é positivo para Cristina Uehara, 47, dona de um estabelecimento que faz pequenos ajustes em roupas há três anos. Ela diz que a maioria dos seus clientes são pequenos comerciantes que buscam cortar gastos. “As pessoas mais simples não estão comprando roupas novas com tanta frequência. Elas trazem as antigas para arrumar”, conta.

Para Uehara, quem trabalha no comércio precisa ser precavido em momentos difíceis e apostar em bom atendimento.  “Com essa crise, ficam os comerciantes que remanejaram seus gastos e, ao mesmo tempo, mantiveram a qualidade. O cliente precisa de carisma e boa prestação de serviço”, ressalta. Mesmo com uma pequena queda no movimento, Uehara tem grande procura. Os armários estão sempre lotados.

christina final
Em meio à crise, a moradora Cristina Uehara faz ajustes em roupas usadas. Foto: Kelly Mantovani/Mural

Já Patrícia Lodi Rodrigues, 37, artesã e dona de uma agência de panfletagem, vive situação inversa. Há cinco anos, quando criou seu negócio depois de fazer um trabalho de porta em porta para um candidato a deputado , a demanda era grande. “Sempre que alguém nos via na rua, pedia nossos contatos”, diz.

Com dez clientes nos ramos de estética, odontologia e alimentação, entre outros, ela chegou a ficar responsável pela entrega de 50 mil folhetos com propaganda encomendados por cada um deles. “Mal tinha espaço na cozinha, era uma loucura. Batia de porta em porta, tinha ponto fixo”. Aos seus funcionários, pagava cerca entre R$ 50 e R$ 90 por dia até o movimento começar a cair em 2013, o que a fez dispensá-los.

Patrícia Lodi Rodrigues buscou outras alternativas para complementar a renda
Patrícia Lodi Rodrigues buscou outras alternativas para complementar a renda. Foto: Kelly Mantovani/Mural

Hoje, o cenário é outro.  Se antes Rodrigues arrecadava R$ 2.000, hoje não passa de R$ 200. Os clientes atualmente aparecem a cada três meses. Para complementar a renda, a comerciante realiza alguns trabalhos manuais, como montagem de sacolas e produção de lembrancinhas feitas a partir de materiais recicláveis.

Seu marido, que recebe um salário mínimo, a ajuda com as despesas da casa, assim como seu pai e sua cunhada. A família recebe ainda R$ 150 do programa Bolsa Família.

Assim, nem sempre a comerciante consegue deixar as contas domésticas em dia.  “Esses dias fui ao supermercado e gastei R$ 100 com menos de oito itens. Antes enchia o carrinho. A gente tem que apertar em outros lugares. Atrasamos contas aqui e ali”, desabafa.

Quer receber as notícias do Mural por email? Cadastre-se

Kelly Mantovani, 21, é correspondente da Vila Nova Cachoeirinha
@mantovanikelly
kellymantovani.mural@gmail.com

SAIBA MAIS:

Inspirado em novela, morador cria adesivo ‘I Love Mairiporã’

Piscinões vão de abandono a solução na capital e Grande SP

Comerciantes protestam contra obras e faixas exclusivas

Blogs da Folha