Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Aumento da tarifa de ônibus atinge morador da Grande SP de forma dupla

Por Blog

Para muitos moradores da Grande São Paulo, o aumento das tarifas de ônibus foi sentido de forma dupla: além dos coletivos municipais, as linhas que fazem a ligação entre as cidades, operadas pela EMTU, também tiveram alta.

Confira abaixo como o aumento afeta moradores de quatro grandes cidades da região metropolitana de São Paulo e no corredor que liga o ABC à zona sul da capital. 

OSASCO

Em Osasco, o reajuste da tarifa dos ônibus municipais entrou em vigor no sábado (9). O valor passou de R$ 3,50 para R$ 3,80. O aumento não agradou aos moradores. Entre as reclamações mais frequentes estão o tempo de espera, a lotação dos ônibus e a falta de integração no transporte, apesar do tema estar entre os compromissos do governo na cidade. No ano passado, a concessão do transporte público foi renovada por mais 20 anos e pode ser ampliada para mais 10.

Em 2015, a prefeitura concedeu passe livre aos alunos da rede pública com renda familiar inferior a quatro salários mínimos e para estudantes do ensino superior beneficiários do Prouni ou Fies, com renda inferior a três salários mínimos. Para ter direito ao benefício, o estudante precisa morar e estudar em Osasco.

Entre os ônibus intermunicipais da EMTU, o percentual de reajuste variou. O trajeto entre Osasco e Pirapora do Bom Jesus saltou de R$ 5,65 para R$ 6,25, alta de 10,62%. A ida do Jardim Veloso, na zona sul osasquense, ao Metrô Butantã saltou 9,76% e chegou a R$ 4,50. (ARIANE GOMES e PAULO TALARICO).

X

GUARULHOS

Em Guarulhos, os ônibus municipais sofreram reajuste no dia 3, passando de R$ 3,50 para R$ 3,80. Os estudantes da cidade pagam meia tarifa. A demora entre o intervalo dos coletivos que circulam pelos bairros mais distantes do centro da cidade é a principal fonte de reclamações. Alguns moradores, que precisam fazer baldeações nos terminais urbanos, chegam a esperar até 40 minutos para pegar a próxima condução.  

A linha intermunicipal que liga o bairro Ponte Alta até a estação Armênia do metrô subiu de R$ 5,70 para R$ 6,15 no dia 9. Apenas parte dos estudantes que utilizam o serviço intermunicipal possui o benefício passe livre.

O itinerário entre o Jardim Moreira e o metrô Parada Inglesa teve aumento de R$ 3,75 para R$ 4,10, num percurso de 50 minutos, com intervalo de quatro minutos entre um coletivo e outro. Os moradores ficam insatisfeitos com a falta de infraestrutura do local que. até hoje, não tem asfalto e uma cobertura decente para todos, conforme texto publicado aqui em 2013. (THALITA SANTO e JÉSSICA SOUZA)

 

MAIRIPORÃ

Em Mairiporã, a passagem passou de R$ 3,50 para R$ 3,80. Na cidade não há integração entre as linhas municipais e nem desconto para quem também pega ônibus intermunicipais. Mais da metade dos moradores não vive na região central, de onde saem os ônibus para São Paulo.

Muitos ônibus não possuem cobrador, a maioria das linhas passa por estradas de terra e deixam de rodar em dias de chuva.

O aumento do gasto com ônibus gera temor de perda do emprego se a condução passar a ser considerada cara demais pelas empresas da capital, onde boa parte dos moradores trabalha. Com o aumento, um dos trechos mais baratos para São Paulo custa R$ 5,35 e liga Mairiporã com a estação Parada Inglesa. Porem essa linha tem horários reduzidos: o último ônibus sai de São Paulo às  20h30.

As linhas mais utilizadas são as seletivas da EMTU, como a 240, com assentos mais confortáveis e menos paradas. A passagem passou de R$ 8,55 para R$ 9,40 (aumento de 9,94%). Uma das principais reclamações desse coletivo é o constante excesso de passageiros em pé, prática proibida por lei em ônibus rodoviários de uma porta só. As duas linhas já foram tema de matéria do Mural em 2015. (HUMBERTO MULLER)

 

CARAPICUÍBA

A cidade teve aumento de R$ 3,50 para R$ 3,80 no sábado (9). No dia seguinte, foi a vez do aumento dos intermunicipais. Desde o último aumento, em janeiro de 2015, tudo continua igual, com problemas no serviço.

A nova rodoviária da cidade deve ser inaugurada este ano, antes da eleição. Alguma linhas tem wi-fi e televisão, mas parte dos ônibus tiveram assentos removidos na parte da frente, o que dificulta a viagem dos idosos.

O Tribunal de Contas do Estado considerou ilegal a licitação realizada em 2009 que escolheu as duas empresas que operam o transporte da cidade, Del Rey e ETT. A prefeitura recorreu e aguarda novo parecer desde então. Um dos donos da ETT já foi prefeito e o proprietário da Del Rey também é responsável pela construção do shopping da cidade. (MÔNICA OLIVEIRA)

ABC

No ABC, os trólebus da Metra nos corredores São Mateus-Jabaquara e Diadema-Brooklin tiveram reajuste no dia 9, de R$ 3,70 para R$ 4. Também desde 1º de janeiro os usuários do cartão Bom Comum não podem utilizar o bilhete duas vezes no mesmo ônibus no período de uma hora -o que elimina a possibilidade de duas pessoas pagarem com o mesmo bilhete no mesmo ônibus.

Um dos principais problemas enfrentados pelos passageiros são as constantes panes elétricas que atingem os trólebus da rede, que afetam a circulação e causam acúmulo de passageiros nas plataformas. (LAIZA LOPES)

Blogs da Folha