Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Famílias perdem tudo em duas enchentes no Grajaú

Por Blog

Em uma semana, duas enchentes invadiram casas e destruíram pertences de moradores da rua Coronel João Cabanas, no bairro Jardim Itajaí, distrito do Grajaú, extremo da Zona Sul de São Paulo. A primeira enchente foi segunda-feira (15/2) e a segunda, sexta-feira (19/2). “Perdi tudo na segunda-feira, ganhei doações durante a semana, e sexta-feira perdi tudo de novo”, lamentou o mecânico Hilpho Carneiro Filho (foto acima), 60.

As enchentes aconteceram por causa do transbordamento de um córrego que atravessa diversos bairros na região.

Neno, como Hilpho é conhecido no bairro, viu sua televisão, aparelhos de DVD e som, geladeira, fogão, colchão, roupas e alimentos imergindo na água poluída que transbordava do córrego até sua casa, na segunda-feira (15), por volta das 14h, depois da chuva que atingiu boa parte da capital.

Poucas horas depois da chuva cessar, foi feito um mutirão que iniciou a limpeza e retirada das águas das casas, e acolhimento das pessoas que não tinham onde dormir e se alimentar.

Em uma semana, duas enchentes alagaram a casa de Hilpho, no Grajaú (Foto: Kaique Dalapola)
Em uma semana, duas enchentes alagaram a casa de Hilpho, no Grajaú (Foto: Kaique Dalapola)

“Ainda bem que temos vizinhos muito bons aqui, porque assim que terminamos de tirar a água aqui de casa, pude dormir na casa do lado”, lembrou Neno. Depois da enchente de segunda-feira, moradores do bairro que não sofreram diretamente com a enchente, ajudaram os que perderam suas coisas, doando roupas, colchões e cobertores.

No entanto, na sexta-feira seguinte, novamente a chuva fez o córrego do Jardim Itajaí transbordar, e a água invadiu as casas outra vez. “Perdi o sofá e estou com medo aqui, porque as paredes e portas estão abrindo tudo, por terem ficado horas debaixo d’água”, disse José Lúcio, 49, comerciante local. O comerciante ainda se emociona ao lembrar da cadeira de rodas de seu filho boiando na água que inundava sua casa.

Na segunda-feira (22), os moradores se organizaram e limparam as sujeiras acumuladas no córrego, trazidas de vários bairros. Os moradores reclamam que a prefeitura não faz limpeza regularmente no local, e iniciou um abaixo-assinado pedindo para aumentar a passagem de água na galeria sob a rua.

Procurada, a Subprefeitura da Capela do Socorro, responsável pelo distrito do Grajaú, não respondeu nosso contato.

Kaique Dalapola, 22, é correspondente de Grajaú
@KaiqueDalapola
kaique.mural@gmail.com

Blogs da Folha