Ponte interditada na Vila Japão causa transtornos em Itaquaquecetuba

Por Blog

A interdição no acesso à Rua Santa Rita de Cássia, na Vila Japão, tem prejudicado a quem mora ou trafega pela cidade de Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo.

Localizada às margens da Rodovia Ayrton Senna e com passagem do Rio Tietê por baixo, a ponte interditada, desde o dia 4/3, é uma obra antiga com uma tubulação que não suportou as chuvas e o desgaste do asfalto.

“No dia 26 de dezembro choveu forte e a ponte começou a cair. A prefeitura interditou uma parte e o acesso foi feito por uma pista só, mas no fim de fevereiro caiu mais um pedaço e tiveram que interditar a via toda”, explica o morador da Vila Japão, Claudomir Matias, 51.

O trecho da ponte que ainda restava foi retirado e no local foi improvisada uma passarela para pedestres, bicicletas e motos.

A via dá acesso a Estrada de Santa Isabel, ao centro comercial e a Rodovia Ayrton Senna. No sentido oposto, a passagem leva a Estrada Bonsucesso e a bairros como Jardim Viana, Jardim Paineira, O Pequeno Coração e Parque Piratininga.

Os moradores desses bairros distantes do centro foram os mais afetados, já que as quatro linhas de ônibus que circulam por eles fazem itinerário pela Vila Japão e foram desviadas pela Vila Maria Augusta.

“Só que uma parte da [Vila] Maria Augusta, além de alagada, está cheia de buracos no asfalto e por isso [os veículos] estão dando a volta por trás da E.E. Amália Maria Dos Santos”, conta Claudomir. Para evitar mais atrasos, os coletivos e os caminhões passam por dentro da água.

O estudante Alan Ramos, 23, vai à Fatec de Itaquaquecetuba de linha 11-Corredor, que teve o percurso alterado. “O trajeto que era de 40 minutos agora chega a durar mais de 1h e toda vez que o ônibus passa pelo ponto alagado na [Vila] Maria Augusta parece que vai tombar”.

Visão da passarela na Vila Japão para quem vai sentido a Vila Maria Augusta (Foto: Jéssica Lima)
Visão da passarela na Vila Japão para quem vai sentido a Vila Maria Augusta (Foto: Jéssica Lima)

Com as chuvas do último dia 10 que castigaram a Grande São Paulo, moradores de alguns bairros da cidade, como da Vila Maria Augusta e da Vila Japão, tiveram suas casas invadidas pela água.

As linhas de ônibus que passavam pela Vila Maria Augusta tiveram o trajeto alterado pelo Jardim Maragogipe. O nível da água abaixou, mas o ponto alagado da Vila Maria Augusta persiste e o itinerário continua sendo feito pelos dois locais.

“Depois que a ponte caiu, o pessoal que mora próximo ao Rio Tietê reclama que a água está vindo com mais força”, conta a dona de casa e moradora da Vila Japão, Patrícia Fonseca, 29. Ela foi uma das vítimas da enchente e perdeu o carro e alguns móveis.

Segundo a Prefeitura Municipal de Itaquaquecetuba, a previsão para reconstruir a ponte era de 30 dias, caso as chuvas não atrapalhassem, em nota ao Mural no dia 10. No entanto, no mesmo dia chuvas fortes atingiram a região e causaram mais estragos. Hoje a prefeitura disse que a previsão agora é a primeira quinzena de maio. A estimativa do valor a ser gasto é de R$ 50 mil.

A pasta explicou que “deu início a um desvio do curso de córrego e o bombeamento para reduzir o volume de água e, assim que possível, fazer a obra no local”, mas que a chuva tem dificultado. Quando o nível do córrego estiver dentro do ideal, o objetivo é que se coloquem aduelas e reconstruam a passagem.

Sobre o trecho alagado na Vila Maria Augusta, “o DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) irá fazer o desassoreamento do rio em toda sua extensão em Itaquaquecetuba, minimizando os problemas de alagamentos em toda a região”, diz a nota. Eles aguardam a liberação da CETESB (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) para começar.

Em relação aos buracos no asfalto, a nota diz que equipes de tapa buraco serão deslocadas ao bairro para manutenção das vias e os bueiros passarão por limpeza, mas que os serviços dependem das condições climáticas para que sejam feitos com qualidade, sem desperdício de material e dinheiro público.

Jéssica Lima, 23, é correspondente de Itaquaquecetuba
jessicalima.mural@gmail.com

 

SAIBA MAIS:
Cadeirante espera até quatro horas por ônibus em Itaquaquecetuba

Moradores criam espaço cultural para empoderar comunidade em Itaquaquecetuba

Um terço das cidades da Grande São Paulo não aumentou tarifa de ônibus