Entrega de piscinão na zona sul leva esperança a moradores

A dona de casa Maria Aparecida Santana mora na mesma rua de Cidade Ademar, zona sul de São Paulo, desde que nasceu há 53 anos. Ela perdeu as contas de quantas vezes sua casa foi destruída pelas enchentes que assolam a região da antiga feira livre há décadas.

Em 2009, ela, o marido e os dois filhos se mudaram para a casa de cima, construída justamente para escapar das inundações que já haviam levado muitos bens materiais ao longo dos anos. As casas de baixo, dela e de sua mãe, já falecida, estão vazias.

“Minhas memórias mais fortes (do bairro) são relacionadas às enchentes”, afirma Maria. “Uma vez tive que colocar uma cadeira em cima da cama para a minha mãe ficar com meu filho (Filipe, hoje com 16 anos), que tinha quatro meses na época, por causa da enchente dentro de casa”, relembra.

Marido de Maria, o meio-oficial de ar-condicionado Ailson Santana, 55, perdeu o carro duas vezes, em 2014 e neste ano. Para ele, o estresse causado pelas chuvas é grande. “Quando começa a escurecer a gente já fica tenso”, explica. Mas a situação deve começar a mudar.

Na última semana de junho, o prefeito Fernando Haddad (PT) inaugurou oficialmente o primeiro dos três piscinões prometidos para a região de Cidade Ademar, além da entrega da praça comunitária Ligia Maria Salgado Nóbrega, construída em cima do reservatório. O próximo piscinão da região tem projeção para ser entregue ainda este ano.

Segundo a Siurb (Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras), as obras de canalização do córrego do Cordeiro, que transborda e causa as enchentes, estão divididas em duas fases. A primeira fase engloba a construção dos três piscinões, a canalização de um trecho do córrego e terá um investimento de R$ 177 milhões de recursos municipais.

O eletricista Sérgio Silva, 58, esteve no local com sua filha e ficou esperançoso com a inauguração. “A rua onde eu moro não alaga, mas quando chove aqui vira um caos, não tem como acessar a avenida Cupecê. Tenho esperança de que as coisas vão mudar”, diz.

O reservatório, que era para ter sido totalmente entregue há um ano e não foi devido a atrasos na obra, já estava em funcionamento hidráulico provisório e terá capacidade para armazenar um volume de água equivalente ao de 32.500 caixas d’água de mil litros.

A praça tem seis mil metros quadrados e conta com pistas de caminhada e de ciclismo, bancos de concreto, mesas, playground e equipamentos para ginástica. “Até setembro deste ano serão entregues as áreas para o bicicletário e para a quadra”, informa a Siurb.

Maria Santana está feliz com a entrega da obra, mas afirma que vai esperar o verão, período de muitas chuvas, para enfim comemorar. “Se não resolver o problema (das enchentes), eu vou embora”, diz a dona de casa. “Para um lugar bem alto”, completa bem-humorada.

Se o problema for resolvido, porém, ela pretende reformar o local onde mora e, quem sabe, alugar as duas casas térreas. Os profissionais que trabalharem nessa reforma terão mais tranquilidade que o marceneiro que construiu a cozinha da casa dela.

“Começou a chover e ele teve que sair correndo. As pessoas usam a rua como estacionamento. Já vi carros sendo levados”, explica. Apesar de tudo, a moradora se diz feliz: “eu e minha família estamos vivos”.

Diogo Marcondes, 27, é correspondente de Cidade Ademar
diogo.mural@gmail.com

SAIBA MAIS:
Terceiro piscinão começa a ser construído em Cidade Ademar
– Piscinões vão de abandono a solução na capital e Grande SP
– Moradores da zona sul reclamam de constantes enchentes na região

Comentários

  1. 22/12/2008 houve aquela chuva em sp a rua da minha casa veio a laga causando prejuizos materias e tambem levando a vida da minha esposa a obito devido a agua que envadiu a nossa residencia eu e ela tivemos que lutar para salvar os moveis do meu irmao que estava sendo levado pela chuva ela infelismente pegou aquela doença do rato chamado leptospirose entao no dia 23/12/2008 eu levei ao ps jabaquara ela foi atendida pela dr carla que medicou com diclofenacco e mandou para casa entao o quadro clinico dela veio a piorar entao no dia 24/12/2008 eu levei ela ao ps pedreira chegando la o medico falou que ela estava com burcity e mandou fazer exame de sangue e fazer um raiox depois ele chamou na sala dele e falou que a saude dela estava otima nao constou nada de alteraçao e passou para ela a tomar dipirona em 6/6/horas entao ela voltol para casa so que o quadro clinico piorando cada vez mais os braço encharam a barriga as pernas ela nao andava mais entao eu corri no dia 29/12/2008 e contratei um convenio medico ameplam saude em carater de urgencia entao so que tinha que esperar 24hs de carencia para passar no pronto socorro no dia 31/12/2008 por volta das 10hs da manha ela foi atendida no covenio ameplan entao detctaram a doença de leptospirose so que como o convenio estava em fase de carencia ela nao podia ficar internada no convenio caso contrario eu tinha que pagar uma quantia de 3,000,00 em dinheiro a vista e dar um cheque de 15,000,00 para 30dias so que eu nao tinha condiçoes eles mandaram eu proucurar uma rede publica de hospital para eu levar ela por que eles nao iria fazer nada a minha esposa so iria ficar deitada na maca sem poder tomar o diagnostico para combater a doença e tambem so podia ficar 12horas na observaçao nao podia ultrapassar esta hora entao eu voltei no ps jabaquara a onde ela foi atendida pela primeira vez chegando la eu encontrei a dr carla que atendeu minha esposa entao como eu havia levado o papel relatando pelo medico do convenio a sin
    tuaçao dela a drã me falou traga para ka urgente que nos iremos atendelo voltei ao convenio e relatei a adm que o ps jabaquara iria atendelo mas o convenio so transferia ela mediante o pgto de uma ambulancia no valor de 250,00 eu paguei levamos para o jabaquara chegando la a medica ja havia ido embora entao o medico que entrou na plantao da noite do dia 31/12/2008 ele se recusou em atendelo a minha esposa entao eu chamei a policia militar viatura de prefixo 03463 os policiais teve que ameaçar em prender o medico so ai o medico liberou a entrada dela no ps e ainda o medico me xincou de bosta pilantra sem vergonha eu tenho testemunha que o medico falou isto ai a minha esposa falou assim nao me diexa aqui que eles vao me matar foi dito e certo no dia 2/01/2009 as 02;45 ela veio a falecer entao eu so quero que a justiça seja feita este hospital saboya e um campeao de maltratar os paciente entao estou desesperado quero uma ajuda pois eu tenho 4 filhos de seguintes idade matheus [de07 anos] larissa [de 05 anos] [camily de 04 anos] [joao lucas de 01 ano]a crianças nao sabem que a mae deles morreu entao eu preciso de uma ajuda de cesta basica brinquedos bonecas para as crianças uma assistente social uma psicologa para que eu acabe com meu sofrimento eu tenho muita coisa para te relatar so que por email nao da eu aguardo um retorno seu meu tel e [011] 34625776 55650853 55652659 8737262 recado com meu irmao produçao pelo amor de deus me ajuda nesta hora tao dificil so quero deixar uma obs minha esposa morreu por que eu nao tinda 18 mil reais para salvar a vida dela sera que os nossos governantes nao tem vergonha na cara disso nao eu acho que ta na hora de acorda hoje foi minha esposa amanha nao sabe quem sera entao nao vamos deixar ter a proxima vitima desta mafia das capa branca que nao sao medicos mais sim assasinos isto e um absurdo pelo amor de deus me ajude alguem eu tenho as crianças para cuidar nos brasileiros pagamos um absurdo de inss para ser tratado igual um animal isto e o fim da picada

    os meu filhos perguntam papai cade a mamae eu falo que ela foi viajar com papai do ceu e nao volta mais entao nos temos que buscar a deus para nos ver ela um dia mas mesmo assim as criaças estao anciosa esperando a mamae isto me doi muito entao eu nao estou mais aguentando ver mais esta sintuaçao eu estou sinceramente pensando em fazer uma bestera na minha vida por-que nao consigo olhar para os rosto dos meu filhos #Adriana

Comments are closed.