Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

‘Como a tocha não veio, fizemos uma cópia dela’, diz Zé da Lua, que desfilou em São Miguel

Por Blog

Uma réplica da tocha olímpica dos jogos do Rio 2016 desfilou pelo bairro de São Miguel Paulista, zona leste de São Paulo, na manhã de sábado (23). A criação e condução do símbolo foi do ativista e produtor cultural Wagner Ufraker, 40, conhecido como Zé da Lua.

O evento reuniu ao menos cem pessoas que percorreram uma distância de três quilômetros, da Capela de São Miguel Arcanjo até aos painéis temáticos de 900 metros que estão sendo grafitados para contar a história do bairro.

Além da condução do símbolo olímpico, a escolta ficou por conta dos índios Karibokas, liderados pelo pajé Laguna, que viveram na região nos tempos do Brasil Colônia. O cortejo seguiu os mesmo rituais da tocha oficial.

Zé da Lua e seu cortejo em São Miguel da Paulista (Vander Ramos/Folhapress)
Zé da Lua e seu cortejo em São Miguel da Paulista (Vander Ramos/Folhapress)

Para o mecânico Arthur Feitosa, 34, o evento pareceu oficial. “Achei que era de verdade, pois a tocha é idêntica e o comboio parecido. Só percebi que não era oficial, por conta da roupa do condutor, parecia um teatro.”

Maria Gusthente, 28, tirou várias “selfies” para compartilhar com os amigos. “Muito legal a tocha passar por São Miguel, eu nem sabia deste evento, faltou divulgação, né?”. Ela só percebeu que era uma imitação depois que a reportagem do Mural contou. “Mas valeu pela criatividade, precisamos disso aqui”, completou.

O comerciante José da Silva, 67,  ficou decepcionado quando soube que a tocha olímpica não passaria por São Miguel. Ele foi até Guarulhos para ver o fogo olímpico e disse que “esse aqui está mais gostoso de assistir e em nada deixa a desejar”.

Ufraker revelou que a atividade faz parte da gravação de um DVD da música que ele compôs para as Olimpíadas e que será tocada no domingo (24) no Estádio do Pacaembu. “Já que as autoridades não pensaram em São Miguel, onde tem a capela mais antiga do Brasil, nós fazemos mesmo que imitando.”, finalizou. A cancão, cujo refrão é “Olimpíadas 2016, brasileiro está na hora de deixar de ser freguês” pode ser ouvida aqui.

Vander Ramos, 56, é correspondente de São Miguel Paulista
vanderramos@agenciamural.com.br

Zé da Lua e seu cortejo em São Miguel da Paulista (Vander Ramos/Folhapress)
Zé da Lua e seu cortejo em São Miguel da Paulista (Vander Ramos/Folhapress)

 

Blogs da Folha