Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Conheça Seu Leó, ativista que brigou por água, luz e esgoto para a Vila Zilda

Por Blog

Chegado da Bahia, Leocádio Teixeira Santos, 62, desde pequeno sempre gostou de ajudar os pais na roça. Pouco mais crescidinho, não teve como continuar os estudos e parou no 4º ano do ensino fundamental, para dar prioridade ao trabalho que o sustentava.

Porém, isso não foi impedimento para lutar por seus sonhos. “Os estudos me fizeram falta, mas conheço tanta gente, que hoje eu sei onde posso chegar. Conhecimento, relacionamento é tudo”, diz todo orgulhoso ao mostrar fotos de suas conquistas pelo bairro. E sim, as conquistas são muitas.

Ah, se não fosse pelas insistências do Seu Leó, como é conhecido no bairro, nada teria mudado na região. Desde quando ele saiu de sua terra, em busca de emprego, e chegou a São Paulo, em 1971. Ele só voltou à Bahia para buscar Maria Almeida, sua noiva, casar e formar uma família, tendo uma filha.
Seu Leó em frente ao grafite que registra a sua trajetória: "Em busca de paz"
Seu Leó em frente ao grafite que registra a sua trajetória: “Em busca de paz” (Karina Oliveira/Folhapress)
Ele morou em vários bairros como: Jaçanã, Vila Maria e Guarulhos. Entretanto, foi na Vila Zilda, em 1992, onde resolveu fazer a sua morada. Lá não tinha asfalto, luz, água encanada, mas, havia ali naquele lugar, muitos sonhos presentes, muitas vontades e que precisavam apenas de um empurrãozinho, e, assim, ele resolveu ficar e ir em busca de melhorias.

“No início tinham alguns moradores comigo, mas muitos iam desistindo no meio do caminho. As coisas não são fáceis. É muita canseira. Precisa ser muito insistente. Então fui ficando sozinho, mas nunca desisti”, conta.

A primeira conquista foi a energia elétrica, depois, no final de 1993, a água encanada chegou por meio de um mutirão com os moradores, o esgoto e, em 1998, foi a vez da grande conquista do asfalto, o qual não teve ajuda das autoridades, mas dos moradores que se juntaram, arrecadaram dinheiro e contrataram uma empresa privada para pavimentar quatro ruas. Em 2008, para a alegria de seu Leó e dos moradores houve a regularização dos terrenos.

Nada passa em branco aos olhos dele e nem de sua prancheta de anotações. Nem mesmo os lixos em caçambas e os buracos nas ruas. E por causa dessa busca, participação e ativismo tão assíduos, Seu Leó se fez tão presente na subprefeitura que se ficou conhecido por lá. Tendo seus pedidos, relatórios e reclamações ouvidos com mais atenção.

Esse grande envolvimento com as questões do bairro lhe fez popular na região, sendo admirado por vários moradores, de diferentes idades, e também em casa: “Hoje e ao longo da sua trajetória, eu vejo o trabalho dele como algo super bonito e acho que deveria motivar mais pessoas a continuar fazendo serviços como esse, não por esperar ter uma remuneração ou retorno, mas simplesmente pelo fato de ajudar e contribuir por um mundo melhor”, conta com admiração Zenaide Almeida Santos, 38, massoterapeuta e filha de Seu Leó.

E “do seu melhor” nasceram grandes amizades, como Gabriella Gallo, assistente técnica, que vê em Leocádio não somente um líder comunitário, mas, também um grande amigo. E que amigo! “Por conta de uma ação, a gente tem que acreditar que vai mudar e eu fico muito emocionada de ter uma pessoa com tanto conhecimento, com um coração tão bom para querer ajudar todo mundo e pessoas que ele nem conhece, sem receber nada em troca” e ainda completa: “Eu tenho muita admiração por ele e muito orgulho de poder chamá-lo de meu amigo”.

E para deixar registrada a sua luta, o trabalho voluntário que faz com tão carinho e sem olhar a quem, o líder comunitário contratou um grafiteiro para grafitar em seu portão, além de paisagem tranquila de um riacho, também escrevesse ao final a marca de sua vida: “Em busca de paz”.

Karina Oliveira, 22, correspondente da Vila Ayrosa
karinaoliveira.mural@gmail.com 

Priscila Gomes, 32, é correspondente de Vila Zilda
priscilagomes.mural@gmail.com

Blogs da Folha