Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Mulheres usam moda periférica dos anos 70 para lançar brechó na Grande SP

Por Blog

Com o desemprego em alta, quatro amigas de Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo, decidiram se reinventar com uma ação que chamam de afroempreendedorismo.

As jornalistas Jéssica Alves, 23, e Mariana Estevam, 23, a publicitária Dayane Estefanio, 27, e a técnica em vestuários e design de moda Michele Cazuza, 28, criaram o Muambei, um brechó ‘da quebrada para a quebrada’.

Após meses de planejamento, elas farão o lançamento no domingo (31), perto da estação da CPTM no município (veja abaixo). As peças priorizam referências das décadas de 1970, 80 e 90 e representam os mais variados estilos da periferia.

“A ideia não é determinar o ‘estilo da quebrada’, mas fortalecer o orgulho de vir de onde viemos e ser reconhecidos por isso de uma forma positiva”, conta Mariana.

Jéssica Alves e Dayane Estefanio posam para divulgar peças do Muambei (Foto: Jennifer Pereira/Divulgação)
Jéssica Alves e Dayane Estefanio posam para divulgar peças do Muambei (Foto: Jennifer Pereira/Divulgação)

 

“Minha expectativa é sermos reconhecidas pelo nosso trampo, e sirva de exemplo para evidenciar o valor do pobre por meio das roupas que ele veste. Mostrar que temos orgulho das nossas origens e da nossa história”, completa.

O Muambei começou numa sessão pipoca na casa de Dayane, quando elas viam o filme “Até as Últimas Consequências”  1996), sobre a vida de quatro irmãs que sofreram grandes perdas e, sem recursos financeiros, planejam começar uma vida nova.

Inspiradas pelo filme e munidas do costume de comprar em brechós, elas visualizaram a possibilidade de um negócio que não precisasse de alto investimento.

Primeiro , fizeram o garimpo de peças usadas e com um investimento inicial de R$ 800 montaram um acervo com 80 peças entre roupas, calçados e acessórios, que terão preços de R$ 3 a R$ 100.

“O último passo é a divulgação nas redes sociais, que é o motor do negócio. Estamos com mais de 300 curtidas no Facebook em apenas uma semana”, comemora Jéssica.

Formadas em comunicação, elas decidiram montar o próprio negócio e apostar na moda (Foto: Jennifer Pereira/Divulgação)
Formadas em comunicação, elas decidiram montar o próprio negócio e apostar na moda (Jennifer Pereira/Divulgação)

O nome do brechó remete a ‘muamba’, com a ideia de simbolizar atividades de venda comuns na periferia como os marreteiros, as consultoras de cosméticos e as sacoleiras. As vendas serão feitas pelo Facebook e pelo Instagram. Futuramente, o objetivo é fazer exposições das peças em eventos culturais na zona leste.

“Além de resgatar a moda de cada década, o brechó traz a conscientização do reúso de peças, já que o consumo de moda produz 1,5 toneladas de Co2 por família ao ano, além de abrir um leque de looks e mostrar que podemos nos reinventar todos os dias sem ficarmos presas a tendências”, ressalta Michele, que atua no ramo da moda há nove anos.

ALTERNATIVA

Jéssica se formou em jornalismo em 2014 e desde então procura uma colocação no mercado, sem sucesso. “Enxerguei nessa oportunidade uma forma de me ocupar, me sentir útil”, comenta.

Mariana também se formou em jornalismo há um ano e meio e se deparou com a realidade de um mercado estreito, fazendo alguns trabalhos como free-lancer. “Decidi dar uma chance e me jogar em algo que realmente fizesse sentido pra mim e para os meus”.

Peças remetem a anos 1970, 80 e 90 (Foto: Jennifer Pereira/Divulgação)
Peças remetem a anos 1970, 80 e 90 (Jennifer Pereira/Divulgação)

“Já passei por várias atividades profissionais, mas confesso que me encantou a ideia de ter meu próprio negócio”, avalia a publicitária Dayane, que trabalha como bartender.

O evento ocorre neste domingo (31) das 13h às 18h na Rua Itamogi, 31 – Vila Virgínia, em Itaquaquecetuba, próximo à estação da CPTM, da Universidade de Guarulhos e ao Shopping Pateo Itaquá. Mais informações pelo evento no Facebook.

Jéssica Lima, 23, é correspondente de Itaquaquecetuba
jessicalima.mural@gmail.com

SAIBA MAIS:

Grupo de humor se apresenta para arrecadar agasalhos em Itaquaquecetuba

Tarifa de ônibus sobe em Itaquaquecetuba dois meses após promessa do prefeito

Ponte interditada na Vila Japão causa transtornos em Itaquaquecetuba

Blogs da Folha