Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Por falta de acessibilidade, eleitor não consegue votar em Guarulhos

Por Blog

O cadeirante Luis Fabiano França, 38, não conseguiu exercer o seu direito de cidadania neste domingo (2), durante a eleição em Guarulhos, na Grande São Paulo. O motivo? Falta de acessibilidade. “O que eu posso falar? É revoltante e frustrante”, resumiu, ainda inconformado com a situação.

Ex-soldador, hoje aposentado por conta de um acidente de carro, França levantou cedo e, acompanhado da esposa Rosane Kurpel França, 32, foi até a Escola Estadual Ponte Alta III, localizada no bairro Ponte Alta, onde votaria pela primeira vez, após ter se mudado de Curitiba (PR), para a cidade.

Mesmo antes de entrar no prédio, já encontrava dificuldades do lado de fora. “Diversos santinhos de candidatos, espalhados pela rua, faziam com que a minha cadeira de rodas escorregasse”, conta.

Dentro da escola, ele foi informado que sua seção eleitoral era no segundo andar. Entretanto, na instituição não há rampas para o andar de cima e, muito menos, elevadores que pudessem ajudá-lo. França não conseguiu contribuir com os seus votos.

Seção ficava no segundo andar
Seção ficava no segundo andar (Foto: Thalita Monte Santo/Divulgação)

Diante da situação, foi emitido um documento para justificar o fato: “A direção da EE Ponte Alta III, vem por meio deste informar que o senhor Luis Fabiano França (…), compareceu a unidade escolar com a finalidade de votar, porém, sua seção está localizada no 2º Andar, ficando impossibilitado de votar pois o mesmo é cadeirante e a escola não possui acesso para deficientes”.

Luis e a família moraram por seis anos em Curitiba e a mudança para Guarulhos foi devido ao acidente que ele sofreu. No começo do ano, ele e a esposa foram até o Cartório Eleitoral, no bairro de Cumbica para transferir o título de eleitor. Lá, insistiram para que o local da votação fosse acessível, já que Luis é cadeirante.

Segundo o casal, foi garantido pelos funcionários que a mobilidade não seria um problema. “Afirmaram que a escola tinha acessibilidade e que ficava no bairro Ponte Alta, onde eu moro. Hoje, me deparo com uma escola em péssimo estado para votar, além da minha seção ser no segundo andar e não ter condições para eu subir. Não pude votar, simplesmente isso”, explicou.

Documento emitido pela escola sobre o problema de acessibilidade (Foto) Thalita Monte Santo/Folhapress)
Documento emitido pela escola sobre o problema de acessibilidade (Foto) Thalita Monte Santo/Folhapress)

A escola chegou a entrar em contato com o TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral), que informou que todas as pessoas com deficiência foram notificadas com uma carta com os locais determinados para votar. Luis nega ter recebido o documento. “Meu título foi feito no dia 29 de janeiro. Não é possível que não tenha dado tempo de chegar. Eu não recebi nada até agora”.

Segundo França, o diretor da Escola assegurou que, caso as eleições sigam para o segundo turno, transferiria a sua seção para o térreo. Mas o que ele espera mesmo é que daqui para frente a acessibilidade na cidade seja respeitada em todos os espaços e não somente em alguns lugares.

“Quero que haja mais mobilidade, porque aqui não existe. Nem nos bairros e nem no centro, muito menos nos transportes. Que comecem a pensar em acessibilidade em geral, não só para cadeirantes, mas sim para todos os tipos de deficiências”, finaliza.

Thalita Monte Santo, 23, é correspondente de Guarulhos
thalitamontesanto.mural@gmail.com

Blogs da Folha