Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Promessa de Alckmin, reconstrução de estações em Itaquaquecetuba não sai do papel

Por Blog

Às 5h,  antes do sol nascer, a bibliotecária Therezinha Aoki, 57, está a postos na plataforma da estação Aracaré da CPTM, na periferia de Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo.

Ofegante, após descer diversos lances de escada, a funcionária pública lamenta a falta de um elevador na estação. “Tenho dor nas pernas de subir e descer essas escadas. Mas fazer o que, né? A gente se acostuma.”

Porém, na velha parada construída em 1950 pela Estrada de Ferro Central do Brasil, a falta de acessibilidade não se limita apenas às longas escadarias. Os usuários com mobilidade reduzida também sofrem na hora de embarcar nos novos trens, que ficam desnivelados em um degrau em relação à velha plataforma.

Perto dali, na estação Itaquaquecetuba, no centro do município, a situação não é melhor. As telhas da plataforma estão em mau estado de conservação e, em dias de chuva, “cachoeiras” se formam a partir dos diversos buracos.

A Estação de trem de Itaquaquecetuba, que possui “cachoeiras” de água em dias de chuva.
A Estação de trem de Itaquaquecetuba, que possui “cachoeiras” em dias de chuva (Lucas Landin/Folhapress)

Itaquaquecetuba possui três estações de trem da CPTM que servem para ligar a cidade ao Brás, na capital, e aos demais municípios do Alto Tietê. No entanto, as estações Aracaré, Itaquaquecetuba e Engenheiro Manoel Feio são as únicas da linha 12-Safira que não receberam melhorias nos últimos anos.

Em 2013, o governador Geraldo Alckmin esteve na cidade e prometeu que as obras de reconstrução de duas delas seriam licitadas e teriam início no mesmo ano. Todavia, até hoje nada aconteceu.

“Nos sentimos abandonados. Reformaram a estação em Suzano, em Poá, no Itaim [Paulista, zona leste de São Paulo], e aqui nada. A estação é a mesma da época que eu tinha 20 anos, mas a passagem não, ela aumenta todo ano”, conta o funcionário público Adailton José da Silva, 63. “Eu já não acredito mais nas promessas de reforma”, lamenta.

Pelas redes sociais, a população chegou a fazer um abaixo-assinado online para que a CPTM reconstrua as estações.

Procurada, a empresa não se pronunciou.

Lucas Landin, 20, é correspondente de Itaquaquecetuba e Poá
lucaslandin.mural@gmail.com

Blogs da Folha