Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Campanha quer ajudar empreendedora de Poá que sofre preconceito dez anos após cumprir pena

Por Blog

Virgínia Rodrigues Pereira, 44, mora na cidade de Poá, na Grande São Paulo, e dribla o preconceito no mercado de trabalho vendendo os salgados que faz em sua própria casa. Lutando contra o estigma relacionado a quem já passou pelo sistema carcerário, desde que saiu da prisão ela é empreendedora e tira disso a renda para o sustento de sua família.

Após enfrentar um cisto hemorrágico e a morte do pai, incluindo a falta de recursos, Virgínia encontrou dificuldade em manter o empreendimento em 2017. No entanto, de um contato para gravação de conteúdo na internet nasceu uma amizade que trouxe a saída para o problema de Virgínia: uma “vaquinha” online para arrecadar dinheiro e ajudá-la a curto prazo.

“Nosso primeiro contato com a Virgínia foi para a pré-produção do sétimo episódio da websérie ‘Nossa História Invisível’, conta Karoline Maia, moradora do Jardim Helena, zona leste da capital paulista.

Junto com Agnis Freitas, Camila Izidio e Carol Rocha, ela produz um vídeo que busca contar as histórias de mulheres negras que são marginalizadas na sociedade. Em breve, o episódio sobre Virgínia será lançado no canal do projeto no YouTube.

Reprodução-Karoline Maia
Virgínia busca ajuda para voltar a fazer seus salgados (Divulgação)

A campanha “Vaquinha para a Vivi Salgados”, ganhou evento no Facebook e vídeo de divulgação, com a meta no valor de R$1.840. O dinheiro arrecadado será investido em material para a produção dos salgados. As doações estão sendo feitas por meio do site “Vakinha” e as contribuições são a partir de R$ 20. Aberta desde dezembro de 2016, a campanha segue até 31 de janeiro.

“Ela é uma mulher muito boa e com muito prazer estamos tentando dar uma força para ela. O valor é baixo e precisamos bater a meta. Vai ajudá-la a dar um pontapé e tocar o negócio em 2017”, explica Karoline, em entrevista ao Mural.

Virgínia faz encomendas de kibe, coxinha, bolinho de queijo, bolinho de carne, pastel e também trabalha com vegetais para quem não come carne, utilizando recheios com espinafre e escarola com queijo. Os salgados são feitos com massa de mandioca, mandioquinha e batata (uma massa mais leve).

“Eu sempre busquei emprego, mas me dispensavam. O mercado de trabalho tem preconceito de todos os lados, pela cor, classe social e pelo processo que eu passei [sendo ex-presidiária]”, desabafa Virgínia. Em 2004 ela foi acusada de participar de um assalto e então condenada a cinco anos de prisão. Cumpriu toda a pena e afirma ser inocente.

Vinda de Ilhéus, na Bahia, a cozinheira é de uma família acostumada a fazer “bicos” e a nunca ficar parada. Foi no projeto Recomeçar, de uma ONG poaense, que desabrochou a ideia de ser empreendedora.

Em junho do ano passado ela recebeu seu certificado do curso profissionalizante em que aprendeu como administrar um próprio negócio. A iniciativa foi feita juntamente com o projeto “Rexista”, dos estudantes da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

E ela não quer parar por aqui. “Sonho em fazer faculdade de Direito, pelo que sofri, pois não tinha quem me defendesse”, diz a moradora, que quer seguir essa carreira para ajudar pessoas mais pobres.

Serviço (Vivi Salgados)
O pacote com 100 salgados custa R$ 45 (congelados) e R$ 70 (fritos), já o preço por unidade é R$ 1. Para encomendar o contato é pelo telefone (11) 4638-0445 ou celular (11) 9 7433-8220 (WhatsApp).

Tamiris Gomes é correspondente de Poá
tamirisgomes.mural@gmail.com

 

Blogs da Folha