Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Sem verba pública, Carnaval de rua em Embu das Artes atrai centenas de foliões

Por Blog

O bairro Santa Tereza, na periferia de Embu das Artes, na Grande São Paulo, esteve em festa nesta segunda e terça-feira de Carnaval, após ter o evento ameaçado. No começo do ano, houve o cancelamento da verba pública destinada para a comemoração nos bairros do município.

No entanto, a Liga Independente de Blocos Carnavalescos e Escolas de Samba de Embu das Artes (Liese) resolveu levar a cabo a realização com marchinhas tradicionais, estilos musicais variados e desfiles que enfatizaram a cultura dos blocos da cidade e a preocupação com o meio ambiente – 59% do território do município está em área de mananciais.

Segundo os organizadores, o bairro recebeu cerca de 3 mil visitantes. “O carnaval de Embu das Artes tem tradição, o Unidos do Santa Tereza desfila desde 1983, fomos pioneiros no carnaval no município”, conta José Costa, um dos fundadores do Unidos do Santa Tereza.

A Liga foi criada há cerca de um ano. Foi a forma que os grupos carnavalescos encontraram para unirem forças e solicitar melhorias para a cidade.  Atualmente, blocos como: Menino Arteiro, Unidos do Santa Tereza, Meninos do Morro, Kambinda, Zuma e o Bloco do Barata, compõem o quadro.

Bloco Menino Arteiro foi dos que se apresentou

“Dentro do projeto, temos a pretensão de que cada bairro tenha o seu bloco e represente uma causa social”, ressalta Costa.

Por decisão do então prefeito interino, Hugo Prado (PSB), hoje presidente da Câmara Municipal, a verba prevista para o carnaval, no valor de R$ 150 mil, foi revertida para a área de saúde. Prado governou até a posse de Ney Santos (PSC), eleito no ano passado, mas que só assumiu em fevereiro, após decisão da Justiça.

O corte nos gastos atingiu outras cidades da Grande São Paulo, como Mogi das Cruzes, e segundo a Confederação Nacional dos Municípios 72% dos municípios responderam que cancelaram os investimentos na festa, por conta da crise econômica.

A prefeitura de Embu apoiou a organização com o fechamento de ruas, banheiros públicos e disponibilização da Guarda Civil Municipal e da Polícia Militar, além da distribuição de preservativos.

“É importante trazer o carnaval para o bairro porque ajuda a divulgar o comércio local para pessoas de outras regiões”, afirma o comerciante Bruno Ribeiro, 28. “Houve comodidade para as famílias curtirem a festa próximo de suas residências, pois nem todos têm recursos para viajar ou mesmo se deslocar”, completa a moradora Renata Reis, 34.

As moradoras Rosana Ribeiro, 42, e Laise Matos, 34, elogiaram o posicionamento socioambiental nos festejos, enfatizado pelo presidente da Liese, Anivaldo Laurindo.

“A gente reivindica melhor qualidade de vida para todos em Embu das Artes. Essa qualidade tem um começo, que é respeitar as bases de tudo, o meio ambiente, o meio em que vivemos”.

No sábado e domingo a festa ocorreu no centro da cidade, onde se apresentaram os blocos Barata, Kambinda e Desbundasartes. No Santa Tereza, desfilaram na segunda-feira: Kambinda, Bloco de Pedra (de São Paulo), e Quilombinho (de Sorocaba).

Na terça-feira, desfilaram os blocos: Menino Arteiro, Unidos do Santa Tereza e Acadêmicos do Campo Limpo (este de São Paulo). Não houve registro de ocorrência, segundo a Guarda Civil.

Sílvia Vieira Martins é correspondente de Embu das Artes
silviamartins.mural@gmail.com

Blogs da Folha