Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Em março, Sturm se envolveu em outra polêmica com movimento cultural da zona leste

Por Blog

Antes de ameaçar de agressão um ativista cultural na semana passada, os atritos entre o secretário de cultura André Sturm e movimentos culturais de São Paulo já haviam se tornado uma marca, segundo coletivos que têm buscado garantir recursos para o setor.

Durante a reinauguração da Casa de Cultura do Itaim Paulista, na zona leste, em março, artistas se organizaram e fizeram um manifesto sobre o fato de 43,7% da verba da cultura ter sido congelada, desde o início do ano.

O secretário compareceu ao evento e, segundo os participantes, não quis dialogar com os grupos e foi embora durante a manifestação dos artistas.  

“Já que ele estava naquele momento na reabertura da Casa de Cultura, a gente queria ter um diálogo com ele sobre isso [verba], só que antes de terminar as reivindicações, ele fugiu do ato”, conta Wellington Braga, 33, diretor do grupo BatucAfro.

X

O embate também tomou as redes sociais. Braga conta que questionou uma postagem, com fotos do ato, como se a inauguração tivesse sido ‘às mil maravilhas’. “Ele publicou as fotos. Inclusive uma foto minha. Começamos a questionar que não havia sido como ele falava e em uma das minhas postagens ele falou que eu deveria parar de ‘mamar nas tetas’ do governo, que eu tinha que procurar alguma coisa para fazer”, afirma o diretor.

Após a discussão, Braga afirma que o BatucAfro tem sido perseguido. O grupo trabalha com a cultura popular e afro-brasileira no Itaim Paulista, na zona leste, e foi excluído do programa VAI (Valorização de Iniciativas Culturais). Ele também afirma  que o secretário deu ordem para que fossem retirados da Casa de Cultura do Itaim Paulista, onde eles guardam seus instrumentos e utilizam o espaço para algumas ações.

Procurada, a secretaria não se pronunciou sobre o tema.

IMPASSE COM O VAI

Uma carta aberta redigida por representantes da sociedade civil, junto à Comissão de Avaliação e Acompanhamento do Programa VAI II, afirma que houve interferências da pasta na seleção dos contemplados do programa, que financia propostas de até R$ 80 mil.

Cinco projetos, que haviam sido pré-selecionados pela comissão, foram excluídos sob a alegação de que estariam irregulares com o edital de licitação. Porém, representantes dos projetos contestam a justificativa e afirmam que há uma perseguição política por trás das eliminações.

No caso do BatucAfro, eles foram informados de que estavam descumprindo uma exigência do edital. Braga nega e afirma que isso foi apenas uma desculpa para desqualificar a seleção.

“O argumento que eles usaram para tirar o BatucAfro é que os grupos que já foram contemplados uma vez deveriam apresentar cartas e vídeos do ano anterior. Nós não colocamos [na proposta], porém esse item não é critério de eliminação, e sim de avaliação e nós já havíamos sido avaliados”, explica Braga.

 OCUPAÇÃO

Na quarta-feira (31), aproximadamente 200 representantes da classe artística ocuparam a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, exigindo a saída do secretário. O grupo deixou o local na noite de quinta (1º).

O protesto ocorreu após o secretário discutir com o agente cultural Gustavo Soares, 25, e ameaçar agredi-lo. No dia seguinte, Sturm pediu desculpas. Gustavo é também correspondente de São Miguel Paulista da Agência Mural. 

Em nota, os manifestantes questionaram a ação da pasta e a posição de encerrar a ocupação. “A decisão foi tomada, principalmente,  porque os integrantes entendem que precisam defender sua integridade física e conhecem a capacidade de violência do Estado. Elas e eles sairão de cabeça erguida, e continuam lutando pelas suas demandas e pelos pontos colocados na construção da cultura da cidade de São Paulo”, afirmou o grupo em nota.

“Expomos  aqui a incapacidade do Secretário Municipal de Cultura, André Sturm, e do Prefeito, João Doria JR, de dialogar. Eles não vão bater na nossa cara de novo, como batem dia após dia em nossas quebradas”.

Thalita Monte Santo é correspondente de Guarulhos

thalitamontesanto.mural@gmail.com

 

Blogs da Folha