‘Quero gravar comerciais e filmes’, diz idosa que virou atriz aos 69 anos em Guarulhos

Por Blog

Nas ruas cinzentas com casas quase idênticas no Jardim Presidente Dutra, em Guarulhos, na Grande São Paulo, uma senhora se destaca entre as centenas de histórias do bairro. A personagem é Maria José Leite de Almeida. Para os íntimos – e não íntimos também, como gosta de frisar –, ela é dona Zezé: atriz de teatro, cantora, dançarina e poetisa.

No alto de seus 74 anos, engana-se quem acha que ela é uma veterana dos palcos. Zezé tornou-se atriz apenas há meia década, aos 69.

“A vontade de ser atriz sempre esteve em mim. Me sinto plenamente realizada fazendo aquilo que sempre sonhei desde criança”, afirma a alagoana, rememorando sua infância.

“Ainda no Nordeste, lembro de pegar lençol, amarrar nas costas e fingir que era a Mulher Maravilha, subindo nas cadeiras para voar.”

Natural da cidade de Colônia Leopoldina, a 120 km da capital Maceió, Zezé conta que já havia tentado seguir a carreira na terra natal. “Me apresentei em uma peça, que fez certo sucesso. Só que os tempos eram outros, a profissão de artista sofria preconceito. Meu próprio pai dizia: ‘Da minha casa, ninguém sai artista’”.

Ao desembarcar em Guarulhos, em 1977, Zezé trabalhou como costureira por muitos anos. Porém, somente 30 anos depois, graças ao incentivo do marido e das filhas, ela viu o desejo de ser atriz tornar-se, efetivamente, realidade.

Zezé já participou de várias peças teatrais
Atriz já atuou em 15 peças de teatro (Joel Dias Filho/Divulgação)

“Elas sabiam do meu sonho e sempre me apoiaram. Em 2010, surgiu um projeto chamado ‘Teatro na Comunidade’, que incentiva a prática de uma atividade que fizesse as pessoas saírem um pouco da mesmice. Eu não pensei duas vezes. Ali foi a minha estreia”, diz.

Desde então, Zezé participou de 15 peças em várias companhias de teatro. “Eu tenho o privilégio de realizar o meu sonho toda vez que eu subo no palco. Pude fazer amigos, conhecer coisas novas. Não tenho por que ficar trancada em casa esperando a vida passar”.

A atriz diz ainda não temer vaias ou críticas, nem sente o “friozinho na barriga que todo mundo diz ter”.

A rotina de Zezé é agitada. Ela participa de grupos de dança, teatro e do Fórum dos Idosos — grupo de moradores de Guarulhos que reivindica ações e atividades voltadas aos idosos.

“Estamos cansados de promessas de quem vem de fora. Idoso não quer promessa, ele quer que se cumpra o que é direito não só do idoso, mas do cidadão em geral”, assegura Zezé, uma das poucas representantes do fórum em Presidente Dutra.

Desde o início do ano, a atriz diminuiu o ritmo nas atuações como atriz e dançarina por conta de problemas de saúde.

“É claro que a gente também precisa cuidar da saúde e da família. Eu amo o teatro, mas preciso seguir um ritmo diferente. Mas vou voltar ao pique de antes”, afirma.

“Recentemente apresentei uma canção de minha autoria e faço parte, mensalmente, de um grupo de dança. Quero gravar comerciais e, quem sabe, fazer filmes. Não vou parar. A gente tem só uma vida, não é verdade? Quero aproveitar tudo o que eu tenho direito”, finaliza.

Jordan Mello é correspondente de Guarulhos

jordanmello.mural@gmail.com