Mural

Blog dos correspondentes comunitários da Grande SP

 -

Blog é escrito por correspondentes comunitários --em sua maioria estudantes ou já formados em jornalismo, mas, sobretudo, interessados em contar o que se passa na região em que moram, na periferia da Grande SP.

Perfil completo

Publicidade

Amor à primeira vista leva noivos ao altar de casamento comunitário

Por Blog

Amor à primeira vista existe? Casais que selaram a união do primeiro encontro em um casamento comunitário no último sábado (25), no Centro de Tradições Nordestinas, garantem que sim. O Mural acompanhou 77 uniões celebradas no bairro do Limão, zona norte de São Paulo.

Um desses casos foi o do técnico de enfermagem Cláudio Bueno da Silva, 58, e da auxiliar de saúde Júlia Moura Silva, 58. A noiva conta que, há 11 anos, após um exaustivo plantão, algo palpitava em seu peito para ir até a terapia onde se tratava por conta de depressão e síndrome de pânico. Silva, também com depressão, estava lá. Os olhares se cruzaram.

“Deus tocou naquele dia para eu ir lá. Eu já tinha ouvido as pessoas falarem do amor à primeira vista, mas eu achava que não era assim, que não acontecia. Mas foi bem diferente ao vê-lo, bem especial”, conta Julia, que disse ter ficado impressionada com o noivo.

Controlando as lágrimas ao falar da data, Silva afirma que após a terapia, os dois conversaram por quatro horas seguidas em um ponto de ônibus. “Ficamos do meio-dia até 16h30 conversando, os olhinhos dela quase fechando de sono, sem dormir”, lembra.

O grude do primeiro encontro foi ainda maior no caso da camelô Katia Cilene Aparecida dos Santos, 39, e do armador de construção civil José Adailton Silva Santos, 40.

“Não acreditava em casamento e em nada disso. Nem em amor à primeira vista, mas passei a acreditar. Não namorei nem um dia, no dia que o conheci já casei e fui morar com ele”, e detalha o impacto inicial: “Fui em um forró e falei para ele ‘você é meu marido’ e ele respondeu ‘demorou’. E estamos juntos há seis anos”.

Katia estava irradiante. Seu carisma e o belo vestido, com cauda longa, pronto nos últimos dias, chamavam a atenção no salão. “Faltava 20 dias para o casamento e o vestido que escolhi não fechava. Uma costureira de 74 anos me deu a certeza que ia aprontar ele. Anteontem ela ainda estava costurando as pedrinhas neles, uma por uma.”

Confira algumas dessas histórias no vídeo e na reportagem “Nove finais felizes de um casamento comunitário“.

Texto: Cleber Arruda, correspondente da Brasilândia
Vídeo: Paula Rodrigues, correspondente da Vila Albertina/Tremembé
Foto: Matheus de Souza, correspondente de São Mateus

Blogs da Folha