Professores de dança no Tremembé querem preservar samba rock de raiz

André Santos

O samba rock é considerado patrimônio da cidade de São Paulo desde 2016, quando recebeu esse título do CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo).

Com o passar do tempo, contudo, o estilo passou a ser ensinado de um jeito mais robotizado. É o que diz Carlos Alberto Pereira Filho, 42, o “Fran”, que defende um jeito mais “das antigas” do ritmo. Ao lado do auxiliar administrativo Castro Antônio César, 38, ele fundou a Família ZN – Samba Rock, projeto que dá aulas de dança no Jardim Tremembé, na zona norte de São Paulo.

“A ideia é passar um samba rock diferente desses que se ensinam nas academias hoje em dia, que é muito duro, meio robotizado. A gente ensina uma linha mais ‘malandreada’, ‘das antigas’ mesmo, de raiz”, diz Fran.

No entanto, ele admite que também passa “algumas coisas desse samba rock mais moderno, com mais movimentos”.

O estilo surgiu nos bailes das periferias de São Paulo na década de 1960. Nos bailes tocavam estilos musicais variados como samba, jazz, sambalanço e até rhytthm & Blues. A dança incorporou movimentos do samba, gafieira, salsa e rock.

 

Amigos criaram curso em 2015 e querem Samba Rock mais malandreado (André Santos/Agência Mural/Folhapress)

“Sempre achei lindo ver o pessoal dançando nas festas, e sempre tive vontade de aprender, daí, decidi vir fazer as aulas”, conta Danilo Xavier, 27, que faz aula há um mês no projeto.

O início das aulas foi em 2015.  “Nosso público é bem rotativo, mas, em média, temos umas 120 pessoas que passam por aqui e têm aulas gratuitas”, ressalta Castro.

Os professores não cobram pelas aulas. Os espaços onde as aulas são realizadas são cedidos por apoiadores do projeto. “Precisamos preservar, ainda mais agora que o samba rock é patrimônio cultural imaterial paulista”, aponta Fran.

A turma possui integrantes de todas as faixas etárias e níveis variados de aprendizado. A dupla, contudo, não aceita que disputem campeonatos de dança com o nome da iniciativa. Afirmam que o objetivo é reunir a comunidade como nos bailes das periferias de antigamente.

“A gente busca o prazer na dança aqui, na maioria das vezes você chega aos bailes e parece uma disputa, um querendo dançar melhor que o outro, fazer mais movimento que o outro, e daí você chega com um estilo diferente, mais cadenciado e chama a atenção. Não precisa acelerar”, afirma Fran.

Os encontros acontecem às segundas-feiras 20h na Casa Cultural Hip-Hop Jaçanã, Avenida Maria Amália, 4180, e às terças-feiras no bar BartPapo, Rua Antônio Álvarez Airão, 28, também as 20hrs.

André Santos é correspondente do Jardim Fontális
andresantos@agenciamural.org.br

Comentários

  1. Matéria muito infeliz. Dizer que “A ideia é passar um samba rock diferente desses que se ensinam nas academias hoje em dia, que é muito duro, meio robotizado. A gente ensina uma linha mais ‘malandreada’, ‘das antigas’ mesmo, de raiz”, diz Fran.
    “Duro e robotizado.. ” Só pode vir de quem não tem nenhum tipo de conhecimento, seja técnico ou mesmo da própria história e evolução desta cultura, que só se tornou patrimônio por causa dos “tais professores duros e robotizados” como foram rotulados aqui, quem são estes caras que nunca fizeram nada por nossa cultura samba rock muito menos lutaram para a conquista de se tornar patrimônio, foram no mínimo desrespeitosos com profissionais que são ícones no mundo do samba rock e que estão a vários anos no cenário desta cultura maravilhosa passando seus conhecimentos para tantos.

    1. Sua crítica e válida, mas em momento algum houve desrespeito, apenas uma reportagem onde o Fran expôs sua opinião e visão referente aos estilos de dança que ele curte e acha mais bonito, que seria o estilo mais antigo.
      As opiniões estão ai para serem expressadas mesmo, ninguém consegue agradar a todos, mas cada um defende aquilo que acredita , o importante é manter o respeito e não ofender ninguém.

    1. Sua crítica é válida, porém em momento algum houve desrespeito, a reportagem mostra o Fran expondo sua opinião e visão referente aos estilos de dança que ele curte e acha mais bonito, opiniões estão ai para serem expressadas mesmo , ninguém consegue agradar a todos, mas o importante é manter o respeito e não ofender ninguém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *