Jovem de Itaquaquecetuba transforma tarefa escolar em livro

Jéssica Lima

Uma redação de escola com tema livre foi o pontapé para que Samuel Araújo Silva, 13, pudesse dar vida ao conto policial “O Mistério do Crime dos Mil Olhos”, publicado pela editora Belo Dia.

Silva é morador de Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo, onde estuda. O livro começou a nascer quando ele estava no sexto ano do ensino fundamental e o texto inicial tinha duas páginas. “Eu queria escrever uma história de suspense e fui aumentando o texto depois, com o incentivo de um professor”, disse.

O conto é escrito em primeira pessoa pelo personagem Henrique, que apesar de não ter a idade revelada, parece ser tão jovem quanto o próprio criador.

O pai de Henrique foi sequestrado em Salesópolis, também na Grande São Paulo, e ele decide investigar o caso com a ajuda de uma amiga da escola. O sequestrador, no entanto, tinha um padrão: atacar somente policiais.

Ilustrações do livro “O Mistério do Crime dos Mil Olhos” também são do autor (Jéssica Lima/Agência Mural/Folhapress)

Em 44 páginas, a narrativa infanto-juvenil transita pelo suspense, o romance e o misticismo com um desfecho surpreendente. “Foi um colega da escola que leu primeiro e depois outros também leram. Disseram que estavam gostando”, conta  o escritor.

Mãe de Samuel, a diarista Ana Cleia Araújo, 36, conheceu a dona da editora Belo Dia, Solange Scattoline, 56, em um curso de paisagismo.

“Achei interessante [o enredo], tem um suspense e o motivo do crime que eu acho muito interessante. O porquê ele [o sequestrador do pai de Henrique] é criminoso, porquê se tornou. É de se pensar nisso”, afirma Solange.

Trecho:
“- Rick, você não está se sentindo estranho? – perguntou Pat. 
– Um pouco! – respondi, agoniado. 
No final do corredor, havia um porta destrancada. Entramos nela e, do outro lado, avistamos uma sala espaçosa cheia de caixas empilhadas. Pat abriu uma caixa e ficou surpresa (e assustada) quando viu que dentro dela havia vários olhos molengas e nojentos.
– Ahhh! Eu nunca mais abro uma caixa na minha vida!!! – gritou ela, jogando a caixa para longe!”

Samuel diz não ter um autor preferido em quem se inspira. A mãe diz que quando era menor, gostava de quadrinhos, principalmente os de Maurício de Sousa. “Quando era criança”, diz o autor.

Além de escrever, o estudante ilustrou a história e os desenhos também pararam no livro. “Ele [Samuel] dividiu a história em muitos capítulos. Juntamos alguns para deixar a narrativa mais interessante. Já os desenhos, como estavam em papel pautado, tivemos que apagar todas as linhas. Deu um pouco de trabalho”, acrescentou a editora.

O livro foi lançado em dezembro do ano passado em um coworking de Itaquaquecetuba e uma remessa de 400 exemplares foi tirada. Apesar da timidez, o estudante procura outros espaços para lançamentos. “Samuel não fala do livro. Ele tem vergonha. Eu que tenho que vender o peixe dele”, contou a mãe.

O jovem escritor já rascunha outras histórias de ficção e se diz um leitor voraz. “Leio mais livros de aventura e leio bastante na biblioteca da escola. Tenho até amizade com a bibliotecária”, disse.

“O Mistério do Crime dos Mil Olhos” custa R$ 12,90 e está à venda pelo site da editora.

Jéssica Lima é correspondente de Itaquaquecetuba
jessicalima@agenciamural.org.br

VEJA TAMBÉM:

Aos 12 anos, menino de Perus publica livro de poesia sobre história negra no Brasil

Livros de Harry Potter inspiram jovem de Pirituba a se tornar escritor

JAe Alves, a artista que dá vida aos muros de Itaquaquecetuba

Casal transforma cômodo em biblioteca comunitária em Suzano 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *