É possível ser vegetariano ou vegano na periferia?

Julia Reis

De acordo com pesquisa realizada pelo Ibope e a Sociedade Vegetariana Brasileira em abril de 2018, o número de vegetarianos no Brasil quase dobrou em seis anos. Além disso, nas regiões metropolitanas de São Paulo, Curitiba, Recife e Rio de Janeiro estão concentrados 16% dos vegetarianos brasileiros.

Mas o papo sobre a cultura vegana costuma ser os altos preços e produtos não acessíveis. Para moradores de regiões periféricas, este é um problema que acaba impedindo alguma possível vontade ou curiosidade de tirar a carne do cardápio.

Para tratar desse mito, a Agência Mural conversou com os idealizadores do projeto Veganos Periféricos e com Carolina Rantigueri, do Bolos Veganos da Carol, para dar dicas de como gastar menos.

Carolina é do Grajaú, na zona sul de São Paulo, e está há cinco anos sem consumir carne. O motivo, afirma, foi por conta da busca espiritual por meio da alimentação.

Com três filhos adolescentes, ela conta que reduziu em 50% dos gastos em casa depois de aderir ao veganismo. “Elitizaram o veganismo e, na verdade, é um tipo de alimentação que é a mais justa possível”, diz.

No caso do instagram “Veganos Periféricos”, a página foi criada em outubro de 2017 pelos irmãos gêmeos Eduardo e Leonardo dos Santos, 22 anos. Moradores do Parque Itajaí e Vila Proost de Souza, em Campinas, decidiram criar o perfil a partir de uma ideia de ambos.

“Queríamos mostrar que é possível ser pobre, ter estudado a vida inteira em escola pública e ser vegano”. Eles dizem ainda que é preciso fazer escolhas para ter uma boa alimentação. “Se eu bebesse semanalmente, tivesse um carro parcelado e comprasse produtos supérfluos provavelmente esses pratos na página não existiriam”.

Ele completa dizendo que, muitas vezes, quem não tem grana não pode comprar o que quer e sim o que puder. “Falta de tempo é desculpa, falta de recurso é fato”, pontua o cozinheiro Eduardo dos Santos.

Os gêmeos calculam que com café da manhã, almoço e janta para duas pessoas sai um preço médio de R$ 350 por mês.

Confira dicas para quem quiser aderir, sem problemas e com muita economia, o vegetarianismo.

OPÇÕES:

Comprar frutas, legumes e vegetais sempre que estiver em promoção nos mercados ou varejões. Os supermercados costumam divulgar dias em que estão em promoção. Geralmente são às quartas-feiras.

No caso de grãos como o de bico e a quinoa, para conseguir o melhor preço basta ir até o Mercado Municipal ou na zona cerealista para comprar a granel – opção de escolher a quantidade que quiser. O preço geralmente é cobrado por quilo. Durante a semana, os preços são melhores.

Evite industrializados como sorvete, biscoito, refrigerante e massas congeladas. Eles geralmente são vazios de nutrientes e possuem conservante em excesso. É só consumir o necessário e pesquisar na internet. Páginas como o Presunto Vegetariano, o Tá na Mesa e o próprio instagram do Vegano Periférico, abordam opções.

Para galera que vai para o centro trabalhar, vale entrar nos mercados ou atacados e escolher os produtos que não tem origem animal. É só olhar o rótulo. Geralmente está entre os primeiros itens. Além das comidas, também existem marcas que não realizam teste em animais e costumam indicar essa informação na embalagem.

Para o vestuário, é só perguntar para o atendente se tem alguma peça que não tenha couro ou seda e escolher aquelas que não possuem.

Usar muito sacolão, horti fruti e feira perto de casa. É legal ir para a feira logo no final, quando os preços são menores e ainda há muita coisa boa.

Comprar legumes e frutas da época, pois como elas saem em maior quantidade o preço fica proporcionalmente menor.

Ser criativo para fazer misturas e pratos simples e rápidos, como vitaminas, hamburguer de grãos ou legumes assados. Existem várias receitas práticas nos sites citados acima.

Alguns legumes oferecem mais proteína do que a própria carne, como espinafre e couve. Para quem tiver dificuldades para adaptação, há a carne de soja. 

Julia Reis é correspondente de Taboão da Serra
juliareis@agenciamural.org.br

VEJA TAMBÉM:

Crianças das periferias de SP experimentam doces veganos pela primeira vez

Paul SemCarney e Eddie Vegger são nomes de lanches veganos em hamburgueria da zona leste

CPTM tem elevadores quebrados há mais de três meses no Grajaú

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *